Avançar para o conteúdo principal

Som ao Vivo

 Devil in Me @ Belin Bar 3 de Março 2011

De volta a Lisboa, o maior nome do Hardcore nacional passou pelo histórico Bairro Alto que , já desde os tempos de D. Dinis, é sinónimo de boémio.

Por Tiago Queirós

O Rei bem tentou fazer daquela zona um local de formação, mas de forma inglória teve de deslocalizar aquela que foi a primeira universidade nacional para Coimbra. Ali faz-se a festa, de geração em geração. E a família que forma os Devil in Me não é excepção.

Verificou-se de facto um dia de festa em família no Berlin Bar que fez jus ao conceito underground que acolhe o género.

À porta, o número de pessoas era menor que o número de tatuagens que as caracteriza e que reflecte o seu estilo de vida. São meras simbologias perante a devoção eterna à sua paixão, que não precisa de luzes da ribalta para criar momentos memoráveis.

Neste tipo de concertos não há limites ou zonas reservadas, há apenas um local de comunhão e de convívio. Do palco ao balcão do bar, todo o sítio pode ser usado para libertar a energia criada pelos mestres em palco , que por breves momentos nos fazem esquecer os problemas que acarretamos. O sentimento é de liberdade. Ninguém está ali para julgar ninguém.

O pretexto do novo álbum («The End») serviu para matar saudades de concertos que ficaram na memória de muitos dos que pisaram recintos como o Incrível Almadense ou o Tuatara. As letras perduram na memória da maioria, e temas como «Brothers in Arms» , «From Dust Till Dawn», «Back Against the Wall» e « Only God Can Judge Me» continuam a suscitar a mesma reacção de forma unânime. Euforia geral.

O apoio demonstrado pelo público é mais do que louvável, e verificar que as músicas mais recentes estão também elas decoradas, é uma honra para a banda e para todo o género em si.

Que devoção! «The End» por exemplo, foi ao contrário do que seria de esperar, um grande momento e possivelmente um futuro clássico da banda.

Não se chega facilmente a este tipo de música, e ainda mais difícil será ao nível de nomes nacionais, mas graças aos Devil in Me abriram-se muitas portas no Hardcore nacional.

Pelo mundo inteiro podem falar de Madball, Sick of it All, Black Flag, e de outros bons exemplos de hardcore, mas a verdade é que nós, cada vez mais, também temos, e apesar da camuflagem underground, estes não ficam assim tão atrás do que se faz lá fora.

Voltando ao concerto, o mosh fora constante, o crowd surfing criou mais uma vez momentos visuais impares que em mais lado nenhum se verifica. «Toda a gente dança», gritou Poli (vocalista) por várias vezes ao qual o público se recusou a negar ao pedido. Grande espírito para um recinto tão pequeno. A cima de tudo reinou a diversão.

Houve ainda tempo para um pequeno tributo aos X-Acto com a cover de «Anchor» que respondeu assim ao pedido que se fez ouvir na plateia.

Mas a noite não se fez só de Devil in Me, que mais uma vez nos presenciaram com novas promessas.

Os Shape são exemplo de novos projectos dentro do género e que se teve oportunidade de assistir. Apesar de terem tarefa, por vezes ingrata, de abrir a cerimónia demonstraram-se ao nível. Grande performance do vocalista que demonstra um talento natural.

Os No Good Reason deram-nos oportunidade de relembrar Black Flag e Ramones, mas a sua performance ficou algo abaixo do que se verificou anteriormente, quer na atitude quer ao nível vocal. Deu-me a sensação que o vocalista estava com dificuldades a ouvir-se a si próprio.

No fim, poucos foram os que arredaram o pé, mantendo-se firmes no apoio às bandas que assistiram criando mais uma vez um ambiente ímpar. Sem vedetismos, fieis a si mesmo,s de onde se poderia encontrar também o ícone do Punk português, João Ribas (Tara Perdida, Censurados e Ku de Judas).

Apesar do dia ser de semana, e das dores no corpo no dia seguinte, ninguém saiu desiludido mais uma vez. Aos Devil in Me desejo uma Tour ao nível deste concerto.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …