Avançar para o conteúdo principal

Afonsinhos do Condado no Luso Vintage


Link da imagem

No Luso Vintage desta semana os Afonsinhos do Condado garantem a festa. A banda surgiu em 1985, depois da sua criação em 1984 sob o nome “Tiroliro Vladimir Mohadir e Tá No Ir”. Para recordar.

Por Júlia Rocha  

A formação original dos Afonsinhos do Condado (1984) incluía Nuno Faria (Baixo eléctrico, Contrabaixo, Guitarras, Voz, Percussões), Eugénio Lopes, ou Gimba (Guitarras, Voz) e Jorge Galvão (Guitarras, Voz).

No início da carreira o grupo actuava em bares do Bairro Alto, mesmo antes de mudarem de nome. Funcionavam desde 1978, mas com nomes diferentes. O grande sucesso “A Salsa das Amoreiras” foi lançado num máxi-single em 1987 (editado pela Polygram) e tornou-se no tema português mais escutado nas rádios esse ano. Neste tema reinava o bom humor e os tons animados e quente do merengue e da salsa. Noutro tema, “O Navio” a banda contou  com a participação de Rui Veloso. Celebrizaram-se ao cantar “O que faz falta”, num espectáculo de homenagem a Zeca Afonso em 1987. 



O primeiro álbum “Açúcar” foi lançado em Abril de 1998 e continha temas com nomes bem originais (algo a que os Afonsinhos do Condado sempre habituaram os portugueses): "Sambinha para Gorbachev", "Ska da Ilha", "A Bordo do Challenger". De referir que o álbum contou com a participação de Kalú no tema “A Rapariguinha”. Depois de um LP em Maio de 1989 chamado “No Parque Mayer”, participaram no Festival RTP da Canção em 1990. O tema era “Jújú e a sua Banda”.

O original e alternativo grupo terminou em meados de 1991. Depois de Gimba ter saído com uma espécie de “licença sabática” em 1990, Nuno Faria e Jorge Galvão ainda deram mais alguns concertos. O último espectáculo dos Afonsinhos  reunidos decorreu no Porto. Contudo, em Março de 1990 já havia sido editada uma compilação com quase todos os temas gravados pelo grupo. Os senhores do Condado ainda participaram em festivais no Canadá e em França.

Em 1998, “Açúcar” foi remasterizado , álbum que contou  com a participação de Mário Laginha, Fernando Abrantes e Ramon Galarza como produtor, no seu lançamento original. O lançamento mais recente referente ao grupo foi a compilação “Leva-me Contigo”,  de 2001.

DISCOGRAFIA
Salsa das Amoreiras (Single, Polygram, 1987)
O Navio/Salsa das Amoreiras/Ao Luar (Máxi, Polygram, 1987)
Açúcar (LP, Polygram, 1988)
Ska da Ilha/É Hoje O Dia (Single, Polygram, 1988)
No Parque Mayer (Mini-LP, Polygram, 1989)
Afonsinhos do Condado (Compilação, Polygram, 1990)
Afonsinhos do Condado (Mini-LP, Polygram, 1990)
Leva-me Contigo (Compilação, Polygram, 2001)


COMPILAÇÕES
O Melhor de 2 - Heróis do Mar/Afonsinhos do Condado (Compilação, Universal, 2001)

COLECTÂNEAS
Festival RTP da Canção (1990) - Juju e A Sua Banda 

 Para recordar: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …