Avançar para o conteúdo principal

Cinema Paraíso na Máquina do Tempo


 Link da imagem


Escrito e realizado por Giuseppe Tornatore, Cinema Paraíso é possivelmente um dos maiores clássicos de cinema desde que os irmãos Lumiére decidiram filmar os seus trabalhadores a saírem da fábrica. Profundo, cómico, romântico e nostálgico, é uma verdadeira carta de amor à arte do Cinema.
Por Miguel Ribeiro


Exibido no ano de 1989 a estória conta como Salvatore Di Vita (Jacques Perrin) , agora um realizador de Cinema famoso, viveu a sua juventude na vila Giancaldo na Sicília e descobriu a paixão da sua vida. O filme é contado em flashbacks, começando com Salvatore a receber a notícia de que Alfredo (Philippe Noiret) acabou de morrer e é desta forma que somos levados aos seus tempos da juventude na pequena vila. O filme foca-se na relação entre Salvatore e Alfredo, desde criança até à altura em que saiu da vila para perseguir os seus sonhos, quase que obrigado por Alfredo que não o quer ver desperdiçar a vida naquela vila, avisando-o a nunca mais lá voltar, pois aí, ele estagnaria e não triunfaria na vida.

Não querendo mencionar certos pormenores desta obra (pois para quem ainda não viu, descobrir esses pormenores, será das melhores coisas que fará) é de notar como todas as personagens que surgem e aparecem no filme e todos os pormenores que se observa, (principalmente nas cenas no cinema) trazem mais humanidade, vivacidade, e até um certo tipo de realismo à pelicula, inserindo-nos cada vez mais neste microcosmos que é a vila de Giancaldo e fazendo-nos crer que ela existe mesmo, e que conhecemos verdadeiramente aquelas personagens que compõem a vida local.

Existem alguns pormenores que valem a pena apontar, como o facto de todo o filme ter sido dobrado, uma característica normal dos filmes italianos e franceses, (sinais de uma indústria que evoluiu neste sentido) ou de como a intenção original do realizador era de que a pelicula fosse uma espécie de obituário às salas de cinema tradicionais e do cinema tradicional em geral.

Mas aquilo que mais importa dizer sobre este filme não está a ser mencionado. E como poderia? Uma das provas de que o Cinema tem realmente um poder emocional forte, é esta obra. A banda sonora criada pelo lendário Ennio Morricone é espectacular, bonita e tem um impacto emocional tão profundo que é realmente difícil não verter uma lágrima (ou várias), quando por exemplo vemos a última cena do filme, em que Salvatore vê qual era o presente que Alfredo lhe tinha deixado para trás antes da sua morte. Provavelmente uma das cenas mais poderosas vistas num filme e uma das mais icónicas do Cinema, de tão intensa que é.

Esta é uma obra que lida com temas muito profundos como nostalgia, perda do amor, juventude, o amadurecimento e as reflexões da vida. Um filme cheio de impacto para quem teve a oportunidade de o visualizar, tanto pela estória e as actuações, como do ponto de vista técnico, onde tudo está sublime. Vencedora de vários prémios, inclusive o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, esta foi e é uma obra fantástica e uma das minhas favoritas. Lembra-nos constantemente que o amor, aquilo que mais prezamos, é a fonte de todas as nossas forças e ao mesmo tempo, causa dos maiores tormentos da nossa vida. Sem dúvida nenhuma, uma obra imperdível e intemporal. Veja, reveja e reveja outra vez.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …