Avançar para o conteúdo principal

Pinto Ferreira no Inovaluso


Da monótona e enfadonha vida burocrática de um qualquer escritório lisboeta para um estúdio nos Olivais em horário pós-laboral, Pinto Ferreira apresentam-nos o seu novíssimo álbum, cantado em português.  

Por Susana Terra 

Pinto & Ferreira, colegas de profissão, são dois nomes a reter no panorama musical português Este duo decidiu, em 2010, colorir a cinzenta vida de escriturário com a música. O resultado de três intensos meses de trabalho de estúdio está à vista: um álbum com a chancela da Sony Music. 

Os Pinto Ferreira são também os “The Guys from Caravan”, mas assumem neste projecto homónimo uma outra identidade musical. Poderá até parecer uma auspiciosa marca de Vinho do Porto, mas Pinto Ferreira é um disco recheado de boas canções , cujos singles figuram já no airplay das rádios portuguesas. 

Pinto & Ferreira no trabalho de estúdio contaram com a ajuda de Fred Ferreira (bateria), Filipe Valentim (sintetizadores), Nuno Espírito Santo (baixo), com a produção de Flak e letras de Pedro Malaquias. Nas palavras do grupo, “o resultado são nove canções que viajam por ambientes bipolares entre sentimentalismos ingénuos, amores obsessivos e a estupidez humana”. 

Versando temas tão comuns à frágil condição humana, o álbum Pinto Ferreira apresenta-nos temas como “Violinos no Telhado”, uma estória de desamores ou o “O Elogio da Estupidez”, com a colaboração de Márcia Santos, que reflecte precisamente as virtuosidades inerentes à estupidez humana. 

Pinto Ferreira (2010) conta com o seguinte alinhamento: 

1. O Mais Perfeito Dia
2. Violinos no Telhado
3. Amar-te até à Morte
4. O Elogio da estupidez
5. Às Vezes sou Visitado
6. De Um a Dez
7. Numa Tarde de Sol
8. Saudação da Primavera
9. Que Pena
 
Temos portanto nove boas canções feitas à medida de uma qualquer variação de humor inerente à nossa condição humana.  
A escutar no máximo volume, se faz favor!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …