Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"

A vitória dos Homens da Luta no Festival RTP da Canção 



Muito se tem falado sobre a vitória dos Homens da Luta no Festival da Canção. Este ano o evento realizado pela RTP destinado a escolher a canção que nos irá representar na Eurovisão, para o mal e para o bem, teve o mérito de colocar o festival no centro das atenções (e discussões), como há muito não se via. Depois de duas décadas de decrescente popularidade e sem que nada o fizesse prever, eis que falar sobre o festival passou a ser tema de conversa em casa, na rua ou através das redes sociais.

 Por Bruno Vieira

À partida tudo parecia correr dentro da normalidade, para não dizer mediocridade na maior parte dos casos. Um após outro os participantes apresentavam as suas canções, do tipo “mais do mesmo” ou “onde é que já vimos isto em edições anteriores”, para no final chegarmos à mesma conclusão de sempre, “vamos lá ver como é que isto vai correr lá fora”, numa atitude típica de derrotados à partida.

Se tudo tivesse corrido dentro da normalidade e depois de apurado o vencedor, teria ficado no ar aquele sentimento de pouca esperança e eterno lamento. Mas depois de anunciada a 10ª canção “A Luta é Alegria” dos Homens da Luta, já nada seria como dantes. Conhecidos de muitos mas desconhecidos de muitos mais, o colectivo liderado por Jel e Falâncio subiu ao palco do Teatro Camões perante a incredulidade da maioria dos presentes. Certamente a vitória estaria longe dos seus planos e a simples participação já seria marcada pela diferença, mas quando aos votos dos júris distritais são somados os votos dos telespectadores “A Luta é Alegria” passa de 7º para 1º lugar. 

O impensável tinha acontecido e estupefactos os vencedores terão confessado a sua preocupação pelo facto de não poderem cumprir os compromissos entretanto agendados para o período em que iriam estar ausentes de Portugal.

A bomba tinha rebentado e a pequena claque de apoio aos Homens da Luta foi insuficiente para conter o descontentamento da maioria dos presentes no Teatro Camões. Houve para todos os gostos, os que saíram antes mesmo da consagração da canção vencedora, outros esperaram e não se contiveram nos apupos, outros ainda terão optado por permanecer em silêncio embora com cara de poucos amigos, olhando incrédulos "como é que estes freaks ganharam?". É de lamentar tamanha falta de desportivismo, uma vez que deveria ter sido uma vitória de todos. Não sendo possível agradar a Gregos e Troianos, impunha-se ao menos um pouco de respeito e educação.

Também me surpreendeu os argumentos de quem se manifestou contra “A Música é Alegria”, alegando a triste figura que vamos fazer na Alemanha ou então o facto de se estar a misturar música e política, como se já não tivesse acontecido no passado. Não é pelo facto de apresentarmos uma sátira do Portugal dos Anos 70, apesar de perfeitamente actual, que seremos mais prejudicados do que já fomos noutro anos, quando supostamente procurámos mostrar uma pretensa modernidade. E no que deu?

Em relação à petição entretanto criada para impedir a participação dos Homens da Luta, Bruno Nogueira no Tubo de Ensaio da TSF terá dito "anda por aí muita gente preocupada com a imagem de Portugal na Alemanha, logo eu que pensava que fazermos figuras tristes na Eurovisão era um mal crónico. Que prestígio nos deu músicas como Baunilha e Chocolate de Tó Cruz ou Dai-Li-Dou (Papagaio Voa) dos Gemini?", para não falar de tantas outras?

No dia em que escrevi esta crónica, soube da notícia que a participação dos Homens da Luta estava garantida na 56ª edição do Festival da Eurovisão da Canção. Jel, Falâncio e companhia vão estar presentes na Alemanha em Maio, independentemente e acima de qualquer polémica. Os cães ladram e a caravana passa! Seria abrir um grave precedente excluir uma canção de participar na Eurovisão depois de ter sido escolhida com toda a legitimidade pelo seu povo, apenas porque um grupo de pessoas se lembrou de criar uma petição contra a participação da mesma. Se “A Luta é Alegria” não respeitasse todo o regulamento, alguma vez teria tido a hipótese de participar no Festival RTP da Canção?

Independentemente do resultado na Alemanha, este ano fez-se história com uma canção que teve o mérito de romper com o politicamente correcto das edições anteriores. Esperemos que muitos mais Homens da Luta se sigam e que no final se despeçam tão ironicamente como Jel se despediu: “quero agradecer a todos os que votaram em nós, mas quero agradecer ainda mais aos que não votaram”.

Ironia das ironias, este ano, o Eurofestival vai realizar-se no país que representa o poder económico e financeiro da Europa. Estando Portugal na situação precária em que está, será que os pontos para a nossa canção virão na mesma proporção da ajuda que Portugal precisa?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …