Avançar para o conteúdo principal

Roquivários no Luso Vintage



O início da década de 80 ficou marcado pelo aparecimento de diversas bandas rock no panorama nacional. A causa foi o estrondoso sucesso do álbum de estreia de Rui Veloso “Ar de Rock” que abriu caminho para novas bandas emergirem. Umas singraram na cena musical, até aos dias de hoje, caso é dos Xutos & Pontapés, UHF ou GNR, enquanto outras ficaram pelo caminho, após algum sucesso inicial. Destas destacam-se os Roquivários que encontraram no tema “Cristina” o seu maior êxito junto do público. 

 Por Carmen Gonçalves

A banda formou-se em 1981 no seguimento do “boom” da cena rock, sob o nome original de “Rock e Varius”. Esta designação pretendia reflectir as influências musicais que passavam por vários estilos, não se cingindo apenas ao rock puro e duro. A música pop, o reggae e o ska eram variantes fáceis de detectar no seu som, e que marcaram o disco de estreia , “Pronto a Curtir”, editado em 1981. 

Apesar de a crítica ter sido dura com o trabalho de estreia, o público recebeu bem o álbum, tendo sido retirados alguns singles que tiveram sucesso junto dos fãs, como é o caso do tema “Ela Controla”.



Nesse mesmo ano a banda fez as pazes com a crítica ao editar o single “Totobola”. Um tema mais trabalhado e melhor produzido, num estilo reggae/ska, provando que os Roquiviários conseguiam trazer algo de novo ao panorama nacional. 

Em 1982 a banda juntou-se à editora EMI e lançou o disco homónimo que teve um grande sucesso comercial. Neste trabalho estão incluídos os êxitos “Mês de Abril” e “Cristina (Beleza é Fundamental)”, um dos maiores hits dos Roquiviários.



Este trabalho seria o último da banda, apesar do sucesso junto do público. Neste, já não participou Paulo Corval, que abandonou o grupo antes da edição do LP, tendo Midus ocupado o lugar de vocalista principal. Os outros elementos que integraram a banda foram Rabanal na bateria, Luís Jorge Loução na guitarra e Mário Gramaço no saxofone e na voz. 

O mal-estar sentido dentro do grupo evido a alguns problemas pessoais, em conjunto com um mercado musical saturado de bandas rock nacionais, levaram a que os Roquiviários não aguentassem a pressão e cedessem de vez. Para a história do rock em português ficaram alguns êxitos para sempre associados à música dos anos 80.

Comentários

  1. Prezada Carmen Gonçalves,
    A introdução que fez no texto não está correcta.
    O Rui Veloso não esteve na génese do movimento de renovação musical denominado "Rock Português", mas sim os UHF.
    Repare que os UHF surgem em 1978 e, antes de Rui Veloso lançar o "Ar de Rock", já a banda de Almada andava a percorrer o país a cantar o tema "Cavalos de Corrida".
    O Rui Veloso foi alvo de uma fabulosa campanha de marketing da Valentim de Carvalho, numa necessidade de rotular o novo movimento rock que emergia em 1980. Apenas isso.
    Isto está registado na história musical, não estou a inventar nada.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …