Avançar para o conteúdo principal

Lykke Li em Modo Pop


Chama-se Li Lykke Timotej Zachrisson, é oriunda da Suécia, viveu uns tempos em Portugal e tem dois álbuns editados, a escassos dias de completar 25 anos. 

Por Susana Terra 

Diz-se que filha de peixe sabe nadar e Lykke Li não será excepção. Filha de dois músicos ligados ao movimento punk, esta menina cedo revelou talento para as lides musicais, lançando em 2008 o seu primeiro disco – “Youth Novels” – com a produção a cargo de Bjorn Yttling, dos Peter Björn and John e Lasse Martén, produtor de Pink e Shout Out Louds.

A sua voz doce e as composições carregadas de intimidade, aliadas a um género que oscila entre uma indie pop- rock alternativa com fortes laivos da electrónica, catapultou Lykke Li para os escaparates internacionais com singles como "I'm Good, I'm Gone", "Little Bit" ou "Breaking It Up". 

À sua projecção internacional, não será alheio o facto de ter apresentado o seu primeiro álbum, no ano de 2009, em dois dos maiores festivais mundiais, o Coachella e o Lollapalooza, de ter colaborado com Kanye West e Santogold na canção “Gifted”, com os Primal Scream ou de ser presença assídua nos principais talkshows norte-americanos. Para além disso, colaborou ainda na banda-sonora do filma “New Moon” (2009) com a canção “Possibility” e, a título de curiosidade, até os Buraka Som Sistema remixaram um tema seu – “Dance, Dance, Dance”.

Lykke Li tem já um vasto currículo musical para quem concebeu apenas um álbum. Fica a sugestão para atentas audições o seu novo e fresquíssimo disco “Wounded Rymes”, lançado este ano.

Há mais vida na Suécia para além dos Abba e Lykke Li tem, sem sombra de dúvidas, uma longa e interessante carreira a percorrer.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …