Avançar para o conteúdo principal

Moloko na Dança do Som



Quem não conhece o poderoso camaleão loiro que se dá  pelo nome de Róisin Murphy que ponha uma mão no ar. Ninguém? Muito bem. E se vos falarmos nos Moloko? Sabem o suficiente sobre eles para ganharem uma batalha musical? Apostamos que não e é por isso que vos vamos ajudar. Sentem-se e relaxem porque a aula vai começar. Moloko no Dança do Som. 

Por Ana Luísa Silva 

Moloko são uma banda anglo-irlandesa de electropop em stand-by liderados pela formosa Róisín Murphy e Mark Brydon. Durante a década de noventa conseguiram convencer muitos jovens com a sua elegante proposta de pop electrónico e alcançaram o seu lugarzinho ao sol.

Mark Brydon, veterano musical, já trabalhava na indústria musical muito antes de Murphy ter nascido. Conheceram-se e nos 90’s pedem emprestado o nome da banda ao mítico filme de Anthony Burgess “A Laranja Mecânica”.

Em 1995 a banda grava o seu primeiro single intitulado “Where Is The What If The What Is In Why?”, conseguindo arrebatar já alguns corações jovens. No mesmo ano lançam o primeiro álbum de originais intitulado “Do You Like My Tight Sweater?” que vendeu umas incríveis 250 000 cópias em todo o Mundo. No ano seguinte  o grupo volta à carga com um novo single , “Fun for Me” , e, não dando hipóteses a que nenhum fã se esquecesse deles, entram em digressão pela Europa e EUA. 

1998 marca a data do lançamento do segundo álbum “I Am Not A Doctor” que conta com o single de êxito “Sing It Back” cujo vídeo, cheio de cor, brilho e influências disco, veio encantar tudo e todos, chegando a disco de platina em Inglaterra. Segue-se “Things To Make And Do” e “The Time Is Now” , que foi curiosamente uma das músicas mais tocadas na Europa.

Em 2000 os Moloko contam com a presença de mais elementos na banda, juntando-se Paul Slowley (bateria), Eddie Stevens (teclado) e Dave Cook dos Bambino Casino (guitarra).
O ano seguinte marca o início do stand-by da banda que, pontualmente ainda se junta e faz umas brincadeiras. Mas acalmem os ânimos, os que anseiam pela voz da menina Murphy. Ela ainda anda por aí. Sozinha e solitária nestes mundos musicais, mas a espalhar magia como nunca.

Para recordar, um dos grandes êxitos do grupo: 



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …