Avançar para o conteúdo principal

Beirut na Dança do Som

Uma viagem pelas sonoridades "Folk"

 Link da imagem

A adolescência é sem duvida a idade da aventura, das descobertas. É a fase dos “alicerces”, da construção daquilo que mais tarde nos irá influenciar para o resto da vida. Este é sem dúvida o caso do protagonista deste artigo: Zach Condon, “frontman” da banda que sobe desta feita ao palco do Dança do Som. Senhoras e Senhores… os Beirut! 

Por Paula Cavaco 

A banda norte-americana nasceu do projecto a solo de Condon, um “menino-prodígio” que um dia (com 16 anos) resolveu fazer uma viagem pela Europa. Essa sua experiência iria influenciar grandiosamente a sua interpretação musical, caracterizada pela fusão de sonoridades “Folk”, “Pop”, “Indie” e “World Music”.  

O desenvolvimento enquanto banda deu-se em 2005, aquando do encontro de Condon com dois dos membros dos “A Hawk and a Handsaw”, nomeadamente os talentosos Jeremy Barnes e Heather Trost. Uma colaboração que se viria a manifestar como grandiosa, como é prova o álbum de estreia dos Beirut, “Gulag Orkestar”, lançado em Maio do ano seguinte. 

“Gulag Orkestar” é um trabalho composto por onze faixas que alternam entre sons melancólicos de inspiração cigana (exemplo: “Gulag Orkestar” e “Prenzlauerberg”), sonoridades “beat-pop” (exemplo: “Postcards from Italy” e “Scenic World”), e pelo meio umas indescritíveis “Rhineland”, “Brandenburg” ou “The Canals of Our City”. 

O álbum poderá dividir-se em duas partes distintas em termos de sonoridade: se por um lado temos um estilo influenciado pelo “folk” dos Balcãs, por outro , encontramos um estilo muito próprio de Condon, sendo que neste o “ukelele” é o actor principal. De facto, uma das características do estilo musical dos Beirut é o destaque dado a instrumentos atípicos ao Rock, dando-se predominância à utilização de instrumentos como o acordeão, o violoncelo, o bandolim, o órgão, o trompete, o violino e outros ainda mais imprevisíveis. 

A utilização da guitarra neste álbum resume-se a uma faixa apenas (a ultima), “After the Curtain”, isto pelo facto de ser impossível para Condon tocar aquele instrumento, devido a uma lesão ao nível do pulso. 

Em termos vocais, em “Gulag Orkestar”, os Beirut oferecem-nos uma miscelânea de interpretações, nas quais Condon vai desde o sussurrado “adocicado” até à mais poderosa das manifestações vocais, ou deixando para os instrumentais o “papel principal”, como é o caso da faixa “Bratislava”, na qual a voz de Condon quase “desaparece” na paisagem instrumental, sendo apenas uma espécie de triste lamento, ecoado repetitivamente. 

Uns dos aspectos mais curiosos neste trabalho são as letras, sinceras e pura “dinamite” poética, além de magnificamente interpretadas por Condon. 

“Gulag Orkestar” recebeu excelentes críticas e foi votado pela “Rough Trade” (loja independente de discos londrina) como melhor álbum do ano. 

Em Outubro de 2007, é  lançado o segundo álbum da banda: “The Flying Club Cup” (sob o “selo” da editora 4AD, o que me parece importante referir e sublinhar), um trabalho com uma sonoridade mais moderna mas no qual o sentimento de nostalgia e melancolia ainda “pairam” fortemente sobre as suas orquestrações. A capa do álbum parece indicar isso mesmo: uma fotografia em tons sépia, numa representação da França do inicio do século XX.  

Logo a abrir, somos “assaltados” por um “A Call to Arms”, a soar a chamamento para o ouvinte, seguindo-se um suave e melódico “Nantes”, que nos remete novamente para o imaginário da capa do álbum. Esta alteração de sonoridades é qualquer coisa de desconcertante.

“The Flying Club Cup” é um álbum de “aveludadas” melodias de dança, marchas do Leste Europeu, baladas tristes de piano e acordeão e ainda e sempre as sonoridades “Folk”, fazendo ainda mais sobressair a genialidade musical de Zach Condon.  

E muito mais fica por dizer sobre esta banda…
Para 2011 está agendado o lançamento do terceiro álbum dos Beirut. E enquanto se aguarda também pela actuação da banda na edição deste ano do “Super Bock Super Rock” (marcada para 14 de Julho), aqui fica uma recordação… 
 
 
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …