Avançar para o conteúdo principal

Karen Elson na Dança do Som



Se a vossa onda passa por bandas ao comando de  meninas bonitas, com ar angelical e vozes poderosas, temos uma proposta para vocês. Chama-se Karen Elson , é a mulher de Jack White,  e já a está a dar muito que falar... na dança do Som desta semana.

Por Ana Luisa Silva

Nasceu em Manchester, Inglaterra e cedo começou nas lides de modelo.
Foi descoberta por uma agência de modelos aos 16 anos e dois anos depois ,já  posava para a aclamada revista de moda Vogue Italiana, tendo trabalhado para inúmeros fotógrafos e estilistas como Bruce Weber, Mario Testino, Peter Lindbergh, Mert e Marcus, Steven Klein, Marc Jacobs, Shiatzy Chen, Jean-Paul Gaultier, Chanel, Dolce & Gabbana e Versace, YSL, Alexander McQueen, Dior, ou Gucci

Participou em campanhas internacionais para a Louis Vuitton e Burberry e foi capa das mais famosas revistas de moda mundiais. Mas quem a ache uma modelo normal e sensaborona que esteja consciente que está redondamente enganado. É que para além da passerelle, esta senhora ainda é compositora e põe grande força nas suas canções.

A carreira musical de Elson começou a crescer devagar ao longo dos últimos anos. Devagar mas a marcar a cena musical. Senão vejamos: em 2003 deu voz a “Last Time I Saw Her” do álbum de Robert Plant (Led Zeppelin) “Dreamland”. Em 2005 sai um CD com Elson a cantar uma música escolhida especialmente por Michael Stipe (vocalista dos REM “Coming Down” como suplemento da revista Uncut e em 2006 a menina Elson tem o prazer de fazer um provocativo dueto com a poderosa Cat Power, cantando uma cover da música “I Love You (Me Either)”. Todos estes pontos positivos fizeram com que merecesse entrar com força no mundo da música e já era de esperar que chovessem convites para prosseguir. Que o diga Jack White que, depois de se render aos encantos de Karen Elson (tanto a nível privado como musical), incentivou-a a compor mais e nunca perder a força que tinha. 

E é assim que, com musicas suficientes para lançar um álbum em grande, 2010 entra com o anúncio de que Elson iria lançar um álbum a solo chamado “The Ghost Who Walks” produzido pelo marido Jack White. O mesmo foi um sucesso e recebeu óptimas críticas , sendo aclamada como a nova cantora/compositora da cena gothic-folk/country, tendo ainda algumas influências célticas , como a música “Lusana”.

Pode ser conhecida como sendo a mulher de Jack White (White Stripes/The Raconteurs), mas claramente que Karen Elson é muito mais do que isso. É mulher, é modelo, guitarrista e compositora. E então caro leitor? Já se rendeu? Eu já.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …