Avançar para o conteúdo principal

A-HA no vídeo do mês



No video do mês vamos ao encontro dos anos 80, década rica em excentricidades artísticas e pelo nascimento de efeitos visuais “loucos” e coloridos. Os A-ha fizeram questão de fazer parte deste rol de criatividade com o single  “Take on Me”, lançado  em 1984. 

Por Júlia Rocha 


Os A-ha formaram-se em 1982, com Morten Harket, Magne Furuholmen e Pal Waaktaar. A banda definiu-se num estilo sintético, da chamada new wave, bem típica dos anos 80. Depois de terem sido descobertos pelo músico e produtor John Ratcliff, o sucesso tornou-se global. Um sucesso que durou até há bem pouco tempo. Não digamos que já acabou, pois  Take on Me permanece um grande sucesso. 

A música foi escrita pelos elementos da banda e produzida por Alan Tarney. Está incluída no primeiro álbum do grupo,  “Hunting High and Low”, lançado em 1985. De referir que inicialmente Take on Me não foi um grande hit, situação que mudou pouco tempo depois.  Os tons sintéticos misturam-se com uma grande variedade instrumental: guitarras, teclado e baterias. 

Take on Me atingiu os tops tanto no Reino Unido, como nos EUA, muito devido ao videoclip, fortemente exibido pela MTV. A realização desta peça de arte coube a  Steve Barron. A tecnologia de ponta da altura foi utilizada para tornar o vídeo verdadeiramente inovador e alucinante. 


No vídeo vemos retratada a banda em “live action”,  misturada com momentos de animação. Em todo o videoclip foi aplicada a tecnologia “rotoscoping” ( nome da animação que permite ver a banda como se estivesse a ser desenhada a lápis) em cerca de 3000 frames; o trabalho demorou 16 semanas. 

O vídeo conta com a participação da actriz Bunty Bailey, que dá início à narrativa romântica: uma mulher bebe café e lê um livro de banda desenhada. O herói dessa banda desenhada é Morten Harket, que interpreta um motociclista perseguido por outros dois. O herói  pisca o olho à rapariga do café, e um braço desenhado a lápis emerge do livro e convida-a a entrar nas páginas a preto e branco. Assim que uma nova personagem entra na história , também ela aparece retratada a lápis. No café, a empregada pensa que a rapariga saiu sem pagar. Irritada deita fora o livro de banda desenhada. Os protagonistas começam a ser perseguidos  e para defender a rapariga, o herói rasga o papel e obriga-a a sair da história. Para surpresa dos outros clientes do café, ela sai do caixote do lixo em que estava o livro e apressa-se a perceber o que se vai passar a seguir. Parece que o rapaz está sem vida nas páginas, mas não é verdade. Ele acorda e tenta sair das vinhetas. O final não podia ser mais feliz. As barreiras foram quebradas e os protagonistas estão juntos. 

A última cena é  baseada num filme de 1980 “Altered States”. O vídeo de Take on Me foi vencedor de 6 prémios no MTV Video Music Awards de 1986, incluindo Melhor Realização e Melhores Efeitos Especiais.

Para recordar: 

AHa - Take On Me from Eian Aldrich on Vimeo.


A título de curiosidade houve um primeiro video para o tema,  que incluía a banda num fundo azul e uma versão diferente da canção .

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …