Avançar para o conteúdo principal

Destaque

Radiohead 



 São há muito uma consolidada banda de culto que, para além de ter marcado uma geração nascida em finais dos anos 70 e inícios de 80, continua a agitar consciências e a exaltar os mais distintos sentimentos dos seus ouvintes, capaz de conduzir-nos, numa só canção, do mais profundo abismo ao supremo e glorioso paraíso.

Por Susana Terra

Poucos artistas e grupos conseguem aceder a este patamar de reconhecimentos global durante consecutivas décadas, muito menos enveredando por terrenos mais experimentais e recusando as fórmulas que se mostram tão do agrado do público e da crítica. A música dos Radiohead é sempre um desafio para o ouvinte.

Será necessário recuar a 1986, na cidade de Oxford, Inglaterra. Numa escola pública masculina cinco rapazes formaram a banda On a Friday (referência ao único dia em que podiam ensaiar). Eram eles Thom Yorke (voz, guitarra, piano, sintetizador), Jonny Greenwood (guitarra, teclados, sintetizador), Colin Greenwood (baixo), Phil Selway (bateria, percussão) e Ed O’Brien (guitarra, sintetizador) e o mundo da música nunca mais seria o mesmo.

Os On a Friday começaram a dar nas vistas numa Oxford saturada de shoegaze e em 1991 assinam contrato com a EMI. Um das condições impostas à banda seria a mudança de nome…e assim “nasciam” os Radiohead, nome inspirado no título de uma canção dos Talking Heads.

Em 1992 os Radiohead lançam o seu primeiro EP, “Drill”, mas a prestação da banda não suscita opiniões muito favoráveis. O single “Creep” apenas conquistou opiniões negativas por parte da imprensa e não passou no airplay da BBC1 por ser “demasiado depressivo”. Surpreendentemente, aquando do lançamento de Pablo Honey, o primeiro álbum  do grupo,  Creep tornar-se-ia um esmagador êxito e catapulta o grupo para o sucesso mundial, em muito devido ao facto da MTV passar sucessivamente o seu videoclip. 

Creep transforma-se no hino de uma geração niilista e sem futuro, ao mesmo tempo que o aparecimento do grunge confere à música uma atmosfera carregada de angústia, dor e solidão. Embora tenha sido a canção com maior projecção dos Radiohead, há uma recusa concertada do grupo em tocar a Creep ao vivo e ainda hoje não é tocada por Yorke e companhia. 


Mas voltemos ao primeiro álbum, Pablo Honey , que surge em 1993. Comercialmente foi um verdadeiro flop e deu origem a uma tour mundial na qual, durante dois anos, os Radiohead tocaram as mesmas músicas, ininterruptamente. Para bem da sanidade mental de todos os elementos, urgia compor e gravar um novo álbum e eis que os Radiohead viram as costas ao sucesso comercial ao mesmo tempo que aderem à via mais underground.

No ano de 1994 é editado o EP My Iron Lung, com o single homónimo e os Radiohead conquistam agora uma sólida base de fãs do movimento alternativo. The Bands surge em 1995 e poder-se-ia dizer ser o primeiro disco que revela as singularidades do grupo num mercado musical inundado pela brit-pop (e pela famosa guerra entre os Blur e os Oasis), a sonoridade etérea mas simultaneamente densa do álbum The Bends, num movimento contra-corrente esboçou os caminhos que tão promissora banda viria a ter no panorama musical. Singles como “High and Dry”, “Fake Plastic Trees”, “Just”, “My Iron Lung”, “Street Spirit (Fade Out) conduziram The Bends a boas classificações nas tabelas europeias e à tripla platina em Inglaterra.


A fase de efectiva consagração dos Radiohead surgiria com OK Computer, lançado em 1997. OK Computer fala-nos de alienação e transporta-nos para novos ambientes, introduzindo a componente electrónica com maior intensidade. São elementos bem patentes em singles como “Exit Music (For a Film)”, “Paranoid Android”, “No Surprises” ou “Karma Police”. OK Computer conquistou o Grammy de Melhor Álbum Alternativo e a primeira posição no top de vendas britânico , sendo portanto o álbum que marca a consolidação da carreira dos Radiohead.


A fase pós Ok Computer quase significou o fim dos Radiohead – conflitos, papéis indefinidos, a depressão de Yorke e o bloqueio criativo – e deu, contudo, lugar a um dos melhores álbuns, o Kid A (2000), que marca uma cisão face ao disco anterior. Kid A foi um passo arriscado mas acertado, apostando em tonalidades minimalistas, na ênfase dada à electrónica e à introdução do jazz nas composições. Os frutos deste novo rumo são temas como “Idioteque” ou “Optimistic”. Na senda de Kid A, os Radiohead lançam em 2001 Amnesiac, recorrendo a diversas canções gravadas durante o período de criação do KId A. Amnesiac foi aclamado pela crítica e reúne temas marcantes como “Pyramid Song” ou “Knives Out”
 

Hail to the Thief (2003) é talvez o álbum mais subvalorizado do grupo, não tendo suscitado críticas muito favoráveis e poderá ser considerado o álbum de síntese, ao congregar os diferentes elementos que os Radiohead incorporaram ao longo dos diferentes trabalhos.  A Hail to the Thief sucede um período de interregno no qual Greenwood e Yorke trabalham em projectos a solo. In Rainbows marca uma nova era, não só para os Radiohead, mas também para a forma como se comercializa música. Em Outubro de 2007, após ruptura com a EMI, In Rainbows é disponibilizado na internet para download legal e cujo preço ficaria ao critério do comprador. A edição física seria lançada no ano seguinte e contaria com diversos “extra”, tendo sido um estrondoso sucesso de vendas.  

Neste ano de 2011 os Radiohead voltam a surpreender-nos com King of the Limbs, sendo já possível escutar “Lotus Flower”. Mantendo a continuidade com In Rainbows e com a fase mais electrónica de Kid A e Amnesiac, King of the Limbs é como uma boa garrafa de vinho: será necessário deixar o disco “envelhecer” até que possa ser devidamente avaliado e enquadrado na (longa) carreira dos Radiohead. 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …