Avançar para o conteúdo principal

Sitiados no Luso Vintage




Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas



O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

 
À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Artur Costa, os Easy Gents (mais tarde Ritual Tejo) e à frente dos Agora Colora.


Esta classificação deu-lhes espaço na compilação “Registos”, editada pela Dansa do Som com o tema “A Noite”, um tema que anos mais tarde seria gravado pelo colectivo Resistência, tornando-se um mega-êxito.


A banda vai sofrendo algumas alterações. Entram novos elementos: o acordeonista Manuel Machado, que pouco tempo depois sai do grupo e é substituído por Sandra Baptista. Entram também Jorge Buco (bandolim) e o baixista João Marques (ex-Clandestinos) que substituiu Mário Miranda. Aliás, ao longo da sua existência, a banda viveu vários períodos de renovação dos seus elementos. Foi um grupo muito dinâmico e sempre aberto a novos talentos.

 
Mesmo sem qualquer disco editado, o grupo fazia mais de 80 espectáculos por ano. Em 1992 editam o primeiro álbum de nome “Sitiados”. Em Junho de 1993, o grupo participa no espectáculo "Portugal ao Vivo" e o segundo álbum, "E Agora?!", é editado em Setembro. Neste disco participam Viviane, Paulo Bragança e João Ribas. Segue-se também a edição da compilação " Johnny Guitar" que inclui o tema "Marcha dos Electrodomésticos", uma versão de "A minha Sogra É Um Boi" dos Mata-Ratos.


A 11 de Dezembro de 1993 actuam no Pavilhão Carlos Lopes. Um concerto com grande sucesso que contou com a participação de Paulo Bragança que interpretou cinco temas do início da carreira do grupo ("Junto ao Rio", "Abril", "Amanhã", "E Ela Cega" e "Saudade") acompanhado por Fernando Fonseca, Mário Miranda e José Resende.



Em 1994, João Aguardela recebe o Prémio Revelação da Sociedade Portuguesa de Autores e os Sitiados actuam no espectáculo "Filhos da Madrugada", uma homenagem a José Afonso com uma versão de “A Formiga no Carreiro” e participam na compilação "As Canções de António" com "O Corpo É Que Paga”.



Um novo álbum surge em 1995. "O Triunfo dos Electrodomésticos". Em 1996 depois editam o quarto disco do grupo que volta a receber o nome "Sitiados" e inclui uma versão de "A Menina Yé Yé" do Conjunto António Mafra .



Em 1997João Aguardela edita o primeiro disco do projecto Megafone . Em 1999 os Sitiados aparecem no disco "XX Anos XX Bandas", álbum de Tributo aos Xutos & Pontapés, com "P'ra Ti Maria".Nesse ano entra Samuel Palitos (ex-Censurados). O grupo muda de editora, passando da BMG para a Sony , que edita o disco "Mata-me Depois" com produção de Marsten Bailey.


No ano 2000 a banda deixa de dar espectáculos e desaparece da cena musical.



João Aguardela, líder da banda, faleceu com 39 anos em Janeiro de 2009, vítima de cancro.



TEMAS DE SUCESSO


* A Noite
* Vida de Marinheiro
* A Cabana do pai Tomás
* Vida
* Outro parvo no meu lugar
* Vamos ao Circo
* E agora?
* Maria
* O Triunfo dos Electrodomésticos


Para recordar :




Comentários

  1. Não é Aguarela (aparece asim 4 vezes)

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde.

    Ao contar nas correcções não me pareceu quatro vezes. de qualquer das formas foi uma gralha de facto cometida mais do que uma vez, mas já corrigida.

    Agradecemos a correcção e as desculpas pelo transtorno causado.

    Melhores Cumprimentos,

    Irene Leite

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …