Avançar para o conteúdo principal

Crítica Musical

Noiserv – «A Day in the Day of the Days»

Link da imagem


David  Santos é no meio artistico conhecido, e cada vez mais reconhecido, como Noiserv. Mas quem é ele afinal? Resumidamente, é um “one man band” que delícia o ouvinte através das suas melodias e que transmite de forma clara a sua paixão pela música. Pôs em causa a estrutura habitual de uma banda e demonstrou-se a altura do projecto, que de forma ambiciosa conseguiu atingir o coração dos portugueses.

Por Tiago Queirós

O meu primeiro contacto com este tipo de formato começou com o australiano Xavier Rudd, que sozinho conseguia captar a atenção do público, transpirando musicalidade pelo seu corpo através do seu multi-instrumentalisto, muito raro em palco. Hoje em dia, graças ao crescimento de outros géneros distintos como o Drum'n'Bass e o Dubstep, assim como um novo estatuto micénico de autênticos talentos naturais do Beatbox ajudaram ao desenvolvimento de performances ao vivo que apoiassem e desenvolvessem a sua arte. Exemplos como Dub FX e Beardyman representam todo um crescimento assinalável na procura deste tipo de artistas/ performers, cada vez mais visitados através da plataforma Youtube. A base poderá ser apontada ao estilo de composição da própria música electrónica que também ela cria bases e acrescenta os pormenores ao longo da sua composição.


O segredo passa pelo uso de tecnologias de loop , que em tempo real permitem a criação do tema que vai crescendo e adensando-se cada vez mais, tornando-o completo e por vezes surpreendente.

A música mais uma vez quebra dogmas, e o instrumento em si deixa de ter a importância que tinha, voltando à origem que o criou – o som.


Mais uma vez a Optimus Discos distingue-se no apoio a este projecto, lançando de forma gratuita o download do  EP «A Day in the Day of the Days» que se segue ao primeiro álbum « One Hundred Miles of Thoughtlessness», que merecia uma maior visibilidade, mas, o futuro é o destino, e do passado ficam as memórias. E o futuro aparenta sorrir ao David.


O dia é a base deste EP. Nele inserimos o presente, o nosso quotidiano e a nossa vivência.
«Mr. Carrousel» é o início da jornada diária. Cheia de altos e baixos. 6 : 00 am temos o dia pela frente, como se de uma tela em branco se tratasse. O tema single é espelho de todo o álbum. Poético na harmonia, demasiado belo no intimismo que levanta. Sentido nas teclas do orgão e carregado na voz.




A simplicidade no multi-instrumentalismo e a envolvência que o low-tempo cria, afasta qualquer tipo de comparação com os exemplos show-off que apresentei anteriormente. Noiserv acima de tudo é original na sua humildade, na sua aparente solidão.

Diana Mascaranhas dá cor e imagem à ideia, no vídeo que o apresenta ao mundo. Mundo esse que infelizmente parece só ter aberto os olhos com a cover vitoriosa de «Where is My Mind?» original dos Pixies.


A meio da manhã , 11: 15am para ser mais preciso, o ritmo aumenta ao som de «The Sad Story of a Little Town»  que demonstra um certo progressismo na ideia base de cantar o Dia. Um grande tema que das cordas da guitarra parece criar fios de marionete que se prendem aos nossos pés, aos nossos braços... Envolve, prende, perfura, a música de Noiserv não é estática como parece, é bem pelo contrário, uma fonte metamorfósica de sentimentos e emoções que mudam e evoluem  ao suceder de audições.


«B.I.F.O.» é um dos temas que considero chave, não só neste EP, mas no historial do seu ainda recente projecto ( algures em 2005 como o próprio aponta). 1: 58pm.,  o tema diz que nasceu num orgão proíbido ( Born In a Forbidden Organ), possivelmente não o será, mas se assim foi , fez-se magia. O momento em que o homem que dá a cara, dá mais do que o talento como músico e demonstra o cantor que há em si.


Ao final do dia repensamos o que se fez e o que ficou por fazer. «Time 2» é possivelmente o tema menos monocromático de todo o EP.  É um tema de reflexão, apontado para repensar aquilo que fazemos, que somos e que queremos ser. Mais do que a letra, o sentimento. Picos de confusão, e não me refiro á música em si, mas à consciencialização que a música aparenta criar. São 7:10pm e parece que não podemos voltar atrás no dia.

«Attenagro» é o momento mais “fechado”. Reservado, acusa o cansaço de dias que podem ser ingratos, mas que no entanto não são, nem podem ser, considerados o fim. O amanhã pode não ser garantido, mas devemos sempre lutar por ele.

«A Day in a Days of the Day» é sentido demais para não ser levado a sério. É a entrega do artista. Mais do que isso, é a entrega de um homem, que apesar de sozinho, não está só.
Noiserv é tudo menos convencional. Dos instrumentos ao intimismo necessário para conseguir captar a virtude da sua música. De longe, um dos projectos mais interessantes a nível nacional.

Estão à espera de quê para o adquirir?

 

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …