Avançar para o conteúdo principal

Regresso ao Futuro na Máquina do Tempo




Da mesma equipa que viria a trabalhar em Quem Tramou Roger Rabbit, temos aqui o primeiro grande sucesso da carreira do realizador Robert Zemeckis e do actor Michael J. Fox. Uma ficção-científica com comédia à mistura, perfeita para ser relembrada aqui, na Máquina do Tempo.

Por Miguel Ribeiro 

Após alguns filmes de pouco sucesso (com Spielberg como produtor) e de finalmente ter atingido algum sucesso comercial com o filme Romancing the Stone, Zemeckis teve a sua grande oportunidade para realizar Regresso ao Futuro, um filme que trata da estória de um jovem Marty McFly, que devido a uma máquina do tempo, criada pelo seu amigo de longa data Doc Brown (Cristopher Lloyd), fica perdido nos anos 50 e que tem de tratar de voltar ao presente, isto enquanto tenta rememendar um erro que cometeu e que impediu que os seus pais se apaixonassem na altura certa, provocando assim um paradoxo temporal que pode levar a que ele nunca chegue a existir.

Para criar esta obra icónica, Zemeckis e Bob Gale trabalharam juntos durante anos para escrever o guião, que chegou a ter várias versões diferentes. Numa das primeiras versões, em vez de viajarem no tempo com o clássico carro DeLorean, as personagens viajavam com um frigorífico plantando no meio de um sítio de teste nuclear. Uma ideia estranha que felizmente foi alterada para um carro. 

A estória surgiu primeiro na cabeça de Gale, quando pensou se seria amigo do seu pai caso o tivesse conhecido na escola. Zemeckis acrescentou a ideia de uma mãe que se mostra muito conservadora, quando na realizade, era muito promiscua na sua juventude. A ideia de se passar nos anos 50, foi puramente a de que, matematicamente, se Marty tivesse 17 anos essa seria a década em que os seus pais andavam na escola, além de que, os anos 50 representavam uma altura em que a cultura jovem se estava a tornar mais influente e com o nascimento do rock n' roll e a expansão dos subúrbios, estas entre outras características, iriam dar um outro sabor à acção presente na narrativa.

Fora todos os conceitos explorados no filme, desde o uso da dimensão temporal, à utilização do choque de culturas, e à ideia de podermos conhecer os nossos pais na altura em que eram jovens, há um ponto que na minha opinião, merece ser referido: é a ideia, de que a mais pequena acção pode alterar todo o nosso caminho. Vemos que Marty, no início do filme, embora meio rebelde e músico, tem medos na vida, como o de não querer arriscar por duvidar das suas capacidades. Observamos isso na personagem, mas torna-se mais curioso quando conhecemos o seu pai, George McFly que tanto no presente (anos 80) como no passado (anos 50) é vítima de bullying por parte de Biff Tannen (o arqui-inimigo de toda a trilogia) e incapaz de se confrontar com pessoas nem de se defender a si próprio, acabando por admitir o mesmo ao filho.

Quando Marty vai parar ao passado, vê como o seu pai era enquanto jovem e quão parecido ele era consigo mesmo, com os mesmo medos e dúvidas quanto às suas capacidades, decidindo-se então, a ajudar o seu pai a conquistar esses mesmo medos. Ao mesmo tempo que esta obra nos entretém, passa uma mensagem ao espectador, uma mensagem que envolve o lutar por nós próprios, pelos nossos sonhos, independentemente da adversidade e de quão difíceis forem as dificuldades à nossa frente.

Há imensas características a falar sobre este filme e pormenores interessantes, desde os efeitos especiais, à forma como os actores estão excelentemente escolhidos para o filme, as cenas icónicas como Marty a tocar e cantar Johnny Be Good de Chuck Berry, à sua banda sonora com Huey Lewis and the News, ao sucesso comercial que teve em 1985 (381 milhões de dólares nos cinemas), mas esta obra, como o nome indica, ficou marcada no tempo e no que toca à sua forma e execução, não há muito a apontar; o filme excede em todos os sentidos a que se propõe e principalmente, cativa-nos com a sua estória e personagens.

 Para recordar: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …