Avançar para o conteúdo principal

Charles Chaplin

 Filme "Luzes da Cidade" na Máquina do Tempo

Link da imagem

O Amor é cego 

O amor é cego, não escolhe idade nem classe social. Não é interesseiro, é invisível e arde sem se ver, como tão bem demonstra Charles Chaplin no filme "Luzes da Cidade", de 1931. A película rodada em época de eclosão dos filmes sonoros é centrada numa história de amor simples, inocente, muda, mas que dá muito que pensar. 

Por Irene Leite 

Antes de mais, destaque para o olhar encantador que Chaplin impregna em cada cena do filme. É a filosofia do Carpe Diem, de viver e desfrutar cada momento, normalmente associado a aventuras deliciosamente caricatas. 

Em "Luzes da Cidade" assistimos à história de amor entre uma jovem cega e um vagabundo. O encontro entre os dois decorre de uma forma espontânea, na rua. O jovem fica logo interessado. Ao longo do seu percurso (sempre colorido na atitude) encontra um milionário excêntrico a tentar suicidar-se. Chaplin com a sua alegria habitual incentivou de imediato a uma atitude positiva: que o dia seguinte seria certamente melhor. O milionário tornou-se imediatamente seu amigo, levando o vagabundo para um mundo completamente diferente do que o jovem estava habituado. 

De destacar um factor de inovação do filme: o poder da música como elemento narrativo, isto porque acompanhava os picos emocionais das situações, aumentando inclusive o potencial das situações cómicas, como o episódio em que Chaplin engole o apito. Na película assistimos a planos gerais, alternados com alguns planos próximos, que sempre em fusão com a música, mexem com a emoção do espectador. 

Os encontros com a jovem cega vão sucedendo, levando a que última pense que está perante um homem de classe social elevada. O vagabundo, cada vez mais apaixonado, tudo fará para cuidar da amada: trabalha como lixeiro, aventura-se em combates, pede dinheiro ao milionário excêntrico, foge da polícia... tudo para poder salvar a jovem de um despejo e da cegueira. E de facto consegue atingir os objectivos, não se livrando da prisão. 

Mas o encontro entre os dois sucede, um tempo depois, dando origem a uma das cenas mais icónicas do cinema. Ele triste, divagando pelas ruas, e ela alegre na venda das flores. Dois estados de espírito diferentes, mas sentimentos idênticos. E nós entramos na ansiedade de assistir ao reencontro dos dois jovens. Como será a reacção da menina? E deliciamo-nos com a ternura dos sentidos, evidenciado no olhar partilhado entre as duas personagens que finalmente se cruzam. O poder do toque como peça-chave para identificação do vagabundo e a prova de que os sentimentos profundos não nascem da imagem, mas de algo mais forte, que não se vê, não se explica, apenas se sente. E... o que acha que aconteceu? 
Uma coisa é certa: o amor é cego, surdo e mudo... e a vida pode ser um conto de fadas por hora e meia. 



FICHA TÉCNICA

Diretor: Charles Chaplin
Elenco: Charles Chaplin, Virginia Cherrill, Harry Myers, Hank Mann, Allan Garcia.
Produção: Charles Chaplin
Roteiro: Charles Chaplin
Fotografia: Charles Chaplin
Trilha Sonora: Charles Chaplin
Duração: 81 min.
Ano: 1931
País: EUA
Gênero: Comédia
Cor: Preto e Branco
Distribuidora: United Artists
Estúdio: Charles Chaplin Productions

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …