Avançar para o conteúdo principal

Aqui D´el Rock no Luso Vintage

Play Hard, die young 

 Link da imagem

 Chegaram. Reinvidicaram.Terminaram. Foi assim o percurso dos Aqui D`el Rock, curto mas intenso. O grupo , formado há 34 anos,  fez escola no punk e acabou a fazer história no Boom do rock português nos anos 80. Para recordar no Luso Vintage desta semana. 

Por Gabriela Chagas 
 
         Aqui d´el Rock viveu rápido e bem. Assim o descreve um dos seus membros, Óscar, a voz. “Nunca houve a questão de fazer uma carreira, uma repetição, um enjoo”, reforça. 

         Em conversa com o Som à Letra, Óscar explica que este grupo, que nasceu em 1977, acabou por ser reclamado pelo Punk, ficando mais próximo do punk de raiz americana do que do punk arty de raíz inglesa.  Uma caracterização que afirma ter sido reforçada recentemente com um comentário que leu numa publicação inglesa.  

   O grupo era constituído pelo Óscar (voz), o Alfredo (guitarra), o Fernando (baixo) e o José Serra (bateria) e fez o seu primeiro concerto no C.A.C.O. (Clube Atlético de Campo de Ourique).

         Com dois temas, “Há que violentar o sistema” e “Quero tudo”, os Aqui D´el Rock ficaram registados como a primeira banda punk portuguesa a lançar o seu trabalho para o mercado.
 
         Segundo o site do grupo, dois dos elementos fundadores da banda, José Serra e Fernando Gonçalves, já se tinham juntado em 1972 quando formaram a sua primeira banda no local  onde viviam, o Bairro do Relógio (aka Bairro do Cambodja), bairro que viria a tornar-se um dos mais marginais de Lisboa.

             A explicação histórica no site oficial do grupo contextualiza a forte postura interventiva deste grupo: “Três anos após a chamada Revolução dos Cravos (25 de Abril de 1974), viviam-se em Portugal grandes transformações, mas também imensas dificuldades a muitos níveis”  O grupo assume essas vivências e escolhe a sua própria filosofia e é com grande naturalidade que os Ad'R acabam por liderar essa corrente apelidada de “boom” do rock português com temas fortes, letras corrosivas e som agressivo. 

     Devido à sua incómoda postura, a banda foi alvo de censura. Seguiu-se depois  um período de grande actividade onde o grupo gravou o segundo single, participou em programas das principais rádios nacionais (Renascença e Comercial), e actuou em vários espectáculos de norte a sul do país. 

    A banda ainda chegou a dar uma ajuda a algumas das bandas que estavam a dar os primeiros passos. São alguns exemplos : UHF com o concerto no salão da cervejaria “O Canecão” em Cacilhas, Almada; Os Faíscas e UHF na discoteca “Browns” em Alvalade, Lisboa; Xutos & Pontapés e Minas & Armadilhas na escola “D. Pedro V” em Sete Rios, Lisboa; Festival rock luso/espanhol, conjuntamente com os portugueses Tantra e duas bandas do país vizinho no estádio do Sporting Clube Farense, Faro. 

         À época posicionavam-se contra o sistema, definindo-se como revoltados desde que nasceram e procurando saída na destruição da sociedade para construir outra melhor.

         É mesmo assim?“Sim, search and destroy e o sonho de um mundo diferente. Mas este é o meu ponto de vista. Não é comum aos quatro elementos e ainda bem”, explica Óscar ao Som à Letra.
          
            Mais de trinta anos depois do aparecimento deste grupo torna-se muito pertinente questionar se este espirito combativo ainda se mantém.   “A história apenas se repete como farsa e a seguir como tragédia (creio que é uma frase do "18 do Brumario") Os combates são diferentes mas infelizmente no essencial é o mesmo”, remata. “A visão radical que apresentámos foi continuando como tal, mudando e hoje percebemos que é uma questão viral” , conclui. 

            Nos dias de hoje, os elementos que criaram este grupo deixaram a música , mas não totalmente.   Durante anos cada um seguiu o seu percurso. Três elementos do grupo voltaram ao contacto após 25 anos e segundo Óscar, com coisas para dizer. 

         “Três de nós e depois dois resolvemos escrever um livro ( Livro da Alma ) com musica sob o nome de haalma ( www.haalma.netau.net/)” que fala dos levantamentos populares que se desenham no horizonte”.  Na verdade, explica, o grupo sempre foi internacionalista e no início do Livro da Alma explicam que foram procurar respostas nos montes do Atlas.  “Mas não esperávamos que estes movimentos partissem dessa zona do globo (Norte de Africa)”. 

             Deixamos ainda  um pouco de história deste grupo documentada no seu site, através deste inventário de concertos e gravações que a banda efectuou no seu curto percurso:

 29/04/1978 - Lisboa, Pavilhão do Clube Atlético de Campo de Ourique
 06/05/1978 - Cacia
 27/05/1978 - Barreiro, Casquilhos
 03/06/1978 - Leiria
 08/07/1978 - Lisboa, Coliseu (1ª parte "Eddie & Hot Rods")
 05/08/1978 - Faro, Estádio de S. Luís
 29/09/1978 - Condeixa-a-Nova
 21/10/1978 - Covilhã
 18/11/1978 - Lisboa, Brown's Club
 24/11/1798 - Lisboa, Cine-Teatro da Encarnação
 03/02/1979 - Águeda
 10/02/1979 - Castelo Branco
 17/02/1979 - Almada, Canecão
 29/04/1979 - Tomar
 05/05/1979 - Lisboa, Liceu D. Pedro V
 12/05/1979 - Chaves
 26/05/1979 - Coimbra, Olivais
 23/02/1980 - Lisboa, Pavilhão de "Os Belenenses" (1ª parte "Wilko Jonhson")
 18/04/1980 - Paço de Arcos, Escola Náutica
 25/04/1980 - Lisboa, Alameda da Universidade
 17/05/1980 - Porto, Pavilhão do Infante de Sagres (1ª parte "Lene Lovich")
 18/05/1980 - Cascais, Pavilhão do Dramático (1ª parte "Lene Lovich")
 06/06/1980 - * Porto, Pavilhão do Infante de Sagres (1ª parte "Uriah Heep") * O grupo esteve presente, o contrato foi pago mas não houve actuação
 12/06/1980 - Lisboa, antiga F.I.L.
 14/11/1980 - Lisboa, Pavilhão de Alvalade (1ª parte "Cheap Trick")
 03/04/1981 - Caldas da Rainha
 11/04/1981 - Lisboa, Clube Oriental de Lisboa
 23/04/1981 - Lisboa, Rock Rendez Vous
 11/07/1981 - Glória do Ribatejo
 18/12/1981 - Vila Franca de Xira (Mau-Mau)  



Gravações:

 09/06/1978 - 1º single; Estúdios Arnaldo Trindade, Lisboa
 09/08/1978 - Video-clip "Há Que Violentar o Sistema", RTP (Filmagens na zona dum palacete em ruínas junto ao Hospital Curry
                    Cabral, Lisboa)
1979 - 2º single; Estúdios Arnaldo Trindade, Lisboa
 15-16-28/12/1981 & 04/01/1982 - Single "Mau-Mau"; Estúdios Arnaldo Trindade, Lisboa  

 
  Para recordar: 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …