Avançar para o conteúdo principal

Sexta feira 13 na Máquina do Tempo



Link da imagem




Após o sucesso do filme Halloween de John Carpenter em 1978, eis que surge Sexta-Feira-13 ,  de Sean S. Cunningham e escrito por Victor Miller. aproveitando o  interesse do público nesta nova onda de filmes de terror identificados como “slasher films” . Clássicos do cinema como Terror em Elm Street, Scream ou Sei o Que Fizeste no Verão Passado bebem destes ingredientes.

Por Miguel Ribeiro 


Os “slasher films”  têm determinadas características que saltam à vista imediatamente     (além do argumento cliché) para amantes de filmes de terror: “gore”. Corpos desmembrados, sangue a espirrachar em grandes doses, esgares das vítimas que nos põem em sobressalto e muitas, mas muitas mulheres a fugir e a ginchar antes de tropeçarem no chão e serem finalizadas por um golpe muito preciso no pescoço para que possamos ver todo aquele sangue a jorrar enquanto os olhos da vítima permanecem abertos. Soa-vos bem? Então este e muitos outros são filmes para vocês.

O conceito por detrás de Sexta-Feira 13 é simples e perfeito para a audiência jovem: um grupo de jovens atraentes na casa dos 17, 22, que se decidem a reabrir um espaço de acampamento para poderem curtir a juventude. E depois começa a matança. Fim. 

Não foi este filme o culpado por ter iniciado este tipo de conceito nestes “teen movies” (essa culpa, alguns entendidos dão ao filme Psycho de Hitchcock) mas foi esta a obra que fez mais dinheiro no box-office (39.7 milhões de dólares apenas nos Estados Unidos) no que remonta a “slasher films” e que fundou um dos franchises de terror mais conhecidos de sempre e uma figura que usa uma máscara de Jóquei: Jason.

Honestamente, hoje em dia este filme está datado e já em 1980 não foi muito bem recebido pela crítica, chegando alguns a dizer que a película  era culpada pelas más notas dos estudantes norte-americanos na altura; um exagero, mas a verdade é que o filme peca em imensos sentidos no que toca a trazer algum brio técnico à película, sendo os principais factores o baixo orçamento , mas também a falta de subtileza nos momentos chave.

Há, no entanto, um pormenor que valorizo neste filme em si: o uso da música. Na criação da banda sonora deste filme, brincou-se um pouco com a própria expectativa do espectador relativamente a quando é que a “ameaça” surgiria, então, em certas cenas chegavam a eliminar a música, de maneira a levar o espectador a baixar a guarda, só para depois nos surpreender com o golpe final em mais um jovem. Excelente pormenor no que toca à manipulação das cenas de suspense presentes no filme.

No entanto,  não se pode levar este tipo de filmes muito a sério no que toca a cinema de terror em si, o objectivo é mesmo o de saber como é que a próxima personagem vai morrer, sempre de uma forma asquerosa e com tensão à mistura. Sexta-Feira 13 foi somente o início de um franchise que nos aterroriza há já 30 anos, não um grande filme, mas é um filme de culto e tem o seu valor histórico , além de que é perfeito para se convidar amigos para uma sessão de terror. Ah! E podemos ver o Kevin Bacon a morrer num dos seus primeiros filmes. Fechem as luzes e aumetem o som: O Jason está a chegar...


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …