Avançar para o conteúdo principal

Xutos e Pontapés no Luso Vintage


32 anos de Vida Malvada ao serviço do rock em português. Uma bagagem repleta de êxitos como "circo de feras", "casinha" ou "contentores" garantem aos Xutos e Pontapés um lugar cimeiro da história da música em língua de Camões . Um grupo que continua a abraçar gerações e a protagonizar grandes concertos.Hoje no Luso Vintage. 


Por Gabriela Chagas

  Uma carreira repleta de sucesso , sempre actualizada ao longo dos anos, mantendo fiel todo o legado conquistado.

 É a maior banda portuguesa de rock, marcou gerações e quem a  viu em 2009, no concerto comemorativo dos 30 anos de carreira, no estádio do Restelo, percebe bem a magia deste grupo.
 
     Foi uma reunião que juntou no mesmo espaço milhares de famílias.  Pais, filhos e até mesmo avós dançaram e cantaram músicas emblemáticas, arrojadas para a época em que foram lançadas, vincando a irreverência deste grupo que soube crescer e amadurecer com classe, cuidando sempre dos seus fãs com carinho. 

     Sémen foi um desses temas que rasgou os tabus linguísticos da época. Não esteve neste alinhamento , mas integrou outros e foi o seu primeiro single editado,através de um contrato com a Rotação, com o selo do radialista António Sérgio, recentemente homenageado não só pelos Xutos , mas por outras bandas portuguesas. 

     Trata-se de um tema premonitório, um êxito nas tabelas de preferências dos ouvintes de rádio. Lançou a semente para outros tantos sucessos que os acompanharam durante todos estes anos.

     “Sémen, Sémen, Sémen 
     Semente dum corpo que cai
      Do corpo da gente Velha disputa do sexo 
     Nunca é quem se espera 
     Terá isso nexo;  
     Será menino ou menina
     Ao pai pouco importa   
     É mais um anexo   
     Bem ninguém vê   
      O que tem   
     Só vê o que não tem.”

     O grupo, que fez a sua estreia de palco nos Alunos de Apolo a 13 de Janeiro de 1979 criou dali para a frente a  sua própria dança e fê-lo sempre à Sua Maneira...até hoje e nós agradecemos. 

     E à sua maneira os Xutos e Pontapés têm para este ano já  muitos concertos agendados, como é  seu hábito.

Vila Nova de Famalicão (9 Abril)
Estremoz (22 Abril)
Rockhal – Luxemburgo (24 Abril)
Beja (7 Maio)
Santarém (11 Junho)
Angra do Heroísmo –  Terceira (22 Junho)
Lisboa – Optimus Alive (7 Julho)
Faro Concentração Motard (16 Julho)
Olhão Festival do Marisco (11 Agosto)
Ferreira do Zêzere (14 Agosto)
Corroios (27 Agosto)  

Para recordar: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …