Avançar para o conteúdo principal

Video do mês

 Sing, Travis


Os Travis são uma banda escocesa, criada no início da década de 90 , que se destacaram pelo sucesso no cenário Brit-pop moderno. Inspirando com as suas composições outros grupos da terra de Sua Majestade como os Coldplay ou os Keane, os Travis ficaram conhecidos por hits como “Why Does It Always Rain On Me?”, “Departed” e este, que será o vídeo do mês no Som à Letra, “Sing”. Para Ouver. 

Por Paula Cavaco


Quem viu este vídeo uma vez na vida dificilmente se esquece do seu conteúdo: uma fabulosa luta de comida; muito menos se esquece da forma como se sentiu quando o viu (ou de cada vez que o vê): boa disposição, descontracção, leveza de espírito, em suma, alegria. 

Neste Mundo que se quer com regras, onde tudo parece ter de ser perfeito, onde cada pessoa se deve comportar segundo os padrões estabelecidos para ser aceite entre os seus pares, há aqueles que são “diferentes”, diferente na sua essência, na sua alma. Estes seres “diferentes” (também rotulados muitas vezes por “loucos”) não se importam com o facto de já serem 20h00 e ainda não estarem sentados à mesa para jantar, preferindo gozar o seu dia ao máximo o seu dia, com um simples passeio de bicicleta.  

Num Mundo de pessoas normais (ou normalizadas), existem os “anormais”, os “loucos”que ficam doidos com tanta normalidade, tanta regra e que por causa da sua incapacidade de adaptação se sentem sozinhos, desolados com o facto de ninguém os compreender. E “loucos” podemos ser todos nós. 

O vídeo começa por deixar transparecer algo que depois, mais adiante, se irá confirmar: que existe algo de “louco” na rapariga de vestido roxo. E já agora, aproveitamos para referir o papel do macaquinho… uma espécie de “inconsciente” colectivo ."
De dentro de uma televisão (porque a televisão é um meio de comunicação poderoso), que Francis incentiva todos os “loucos” a “cantarem” para esquecer os problemas, mesmo que esse “cantar” não faça a mínima diferença para os outros. E mesmo que o nosso lado consciente não queira ouvir a mensagem que ele está a tentar passar, lá está o macaquinho para ligar de novo a televisão. 

“But if you sing, sing, sing, sing, sing, sing,
For the love you bring won't mean a thing,
Unless you sing, sing, sing, sing.” 

Ou seja, cantar , cantar e cantar...

Somos convidados (a julgar pela posição da câmara à entrada da sala de jantar) a partilhar o espaço com  as pessoas “normais” para jantar mas assim que entramos na sala somos “atingidos” por um grande olhar de espanto, surpresa e choque por parte dos outros (até ao anfitrião lhe cai o óculo). Mas nós, os “loucos”, continuamos como se nada fosse. E lá nos sentamos para o banquete. 


Um prato atrás do outro, e eis que a situação começa a ficar complicada. “Como é que se come um lavagante com faca e garfo?”, perguntamos. Mas, mesmo no total desconhecimento sobre a resposta lá resolvemos arriscar e “atacar” o petisco. É óbvio que só poderia acontecer o pior, ou seja, desatamos a fazer aquilo que as pessoas “loucas” são peritas em fazer: gerar o caos.  E é no exacto momento em que o lavagante nos salta do prato para ir pousar na cabeça da anfitriã, que entra, pela segunda vez, o refrão a relembrar-nos que independentemente do quanto o nosso grau de loucura possa parecer aos outros, deveremos CANTAR! E lá aparece o nosso “subconsciente” (o tal macaquinho) a aumentar o nível do volume da televisão, numa tentativa de “enfatizar” a mensagem que se quer transmitir. 

De “subconsciente” activado, a rapariga do vestido roxo resolve arremessar uma azeitona ao vocalista dos Travis (o instigador da loucura, digamos assim) e é instalado o perfeito “horror”, perante o ar incrédulo dos mais “normais”. 

Mas a loucura é uma “doença” pegajosa. Uma vez instalada vai ganhando adeptos e quando se dá conta… nem a pessoa mais habituada a ela escapa. 

Relembremos o vídeo...   


 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …