Avançar para o conteúdo principal

Allô Allô na Máquina do Tempo


Criado por David Croft e Jeremy Lloyd, Allô, Allô é uma sitcom britânica que teve imenso sucesso desde que surgiu originalmente entre 1982 e 1992. O conceito era servir de paródia a uma série britânica chamada Secret Army (com a mesma trama só que num café na Bélgica) enquanto explorava uma vasta gama de clichés que depois se tornaram elementos de culto. Mas o que tem esta série de único para ser relevante hoje em dia?

Por Miguel Ribeiro


Allô, Allô passa-se durante a Segunda Guerra Mundial, numa pequena vila de nome Nouvion e conta a estória de René Artois, dono de um café que se vê envolvido numa serie de tramas assim que os alemães chegam à vila. Ao longo de nove temporadas, travamos conhecimento com estórias exageradamente absurdas, mas extremamente cómicas envolvendo a Resistência Francesa, generais alemães, Gestapo, pilotos britânicos, as empregadas do café, entre outras personagens.  Tudo por causa de um quadro: The Fallen Madonna , de Van Klompf (também conhecido por The Fallen Madonna with the Big Boobies).

A trama principal anda à  volta deste quadro, que o Coronel von Strohm e os seus colegas Tenente Gruber e Capitão Hans Geering obrigam René a guardar a pintura, numa salsicha alemã (ou knackwurst), planeando vender após a guerra e reformarem-se. O problema é que a Gestapo também entra em cena através de Herr Flick e o seu sidekick von Smallhausen, que conspiram também para guardar a pintura só para eles, ajudados por Helga, que tem uma paixão por Herr Flick.

A estória de Allô, Allô é extremamente complicada para se conseguir explicar neste artigo,  mas é necessário que se perceba que esta sitcom, ao contrário de muitas outras, segue mesmo uma linha cronológica de estória e embora no início de todos os episódios a personagem de René dê uma curta explicação sobre o que se passou no episódio anterior, é essencial que se veja esta série sempre seguida de forma a se perceber tudo o que se passa.

Um dos pontos de interesse da série é a forma como todas as personagens deste mundo tinham apenas uma dimensão, regra geral repetindo as mesmas falas em diferentes contextos e representando sempre um tipo de personalidade, mas longe de ser negativo. Trata-se de um pormenor que funciona positivamente nesta série principalmente porque as actuações estão mesmo no ponto. Se é verdade que normalmente as sitcoms passam por este tipo de construção da narrativa, ao mesmo tempo é admirável perceber porque funcionava tão bem em Allô, Allô.

A imensidão de personagens que existiam e que contracenavam entre umas e outras mantinha tudo sempre activo, diferente e para quem gostasse do conceito da série, a forma como quase nunca nenhum dos planos dava certo e depois assistiamos ao desenrolar das frustrações, por si só era ouro sobre azul.

Allô Allô foi  uma série que teve sucesso em Portugal na altura em que passou originalmente na RTP 2, mas hoje em dia não é muito conhecida, principalmente tendo em conta o vasto leque de séries e sitcoms que existem para se ver.

 No entanto aqui está uma sitcom que vale a pena recordar, principalmente porque foi única na sua abordagem, uma amostra de originalidade, genialmente construida sobre as fundações da actuação destes grandes actores britânicos.

Comentários

  1. Uma das melhores séries de sempre. Deviam passá-la novamente na RTP2. Ultimamente tem passado na RTP Memória.
    Nunca é demais relembrar as citações icónicas como: "Listen very carefully, i shall say this only once." ou "You stupid woman!".

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …