Avançar para o conteúdo principal

UHF no Luso Vintage

No luso Vintage desta semana os convidados são os UHF , uma das  bandas mais icónicas do rock dos anos 80. “Menina estás à janela” é o tema que lança o desafio para uma visita ao percurso de António Manuel Ribeiro e companhia. Prontos?
Por Júlia Rocha

Numa altura em que a maior parte dos jovens músicos preferiam cantar em inglês, os UHF sempre apostaram na música e no rock cantado em língua de Camões. Trata-se de uma das grandes bandas do boom do rock português nos anos 80 , com data de nascimento em 1978. Em Almada, Américo Manuel, Carlos Peres, Renato Gomes e António Manuel Ribeiro formavam o primeiro alinhamento do grupo. 

O primeiro concerto realizou-se em 1978 e o primeiro EP foi lançado em 1979. Desde então a sua carreira não tem parado e está recheada de grandes sucessos. Mas foi em 1993 que os autores de Cavalos de Corrida lançaram o álbum Santa Loucura. Nesta altura os UHF eram constituídos por António Manuel Ribeiro, Rui dias, Renato Júnior, Fernando Delaere e Fernando Pinto. Sem dúvida que, parte do carisma dos UHF, está no vocalista António Manuel Ribeiro. 

Neste álbum estava Menina Estás à Janela, uma letra adaptada de uma música tradicional portuguesa. Talvez o grande sucesso da banda e que toda a gente sabe de cor e salteado (um concerto dos UHF não é um concerto sem se ouvir este tema). É o delírio dos espectácukos do grupo e pede uma atitude rockeira correspondente. 

Recentemente numa entrevista António Manuel Ribeiro afirmou como fica impressionado com a variedade de pessoas que aparecem nos concertos. Desde os 8 aos 80, com pleno conhecimento das letras.

Contudo, os UHF tiveram uma exposição mediática mais irregular, comparando com os colegas Xutos e Pontapés e GNR. O vocalista justifica esta situação com a palavra independência. Segundo António Manuel Ribeiro, foi o preço a pagar pela independência e liberdade do grupo. 

 “Passo a passo, vamos fazendo aquilo que queremos. Nós gostamos e precisamos das editoras - se bem que hoje temos a nossa e trabalhamos mais com distribuidoras -, mas nunca abdicamos da escolha do rumo. Pagamos com a nossa independência alguma exposição menor”, explicou o vocalista ao site IOL Música.

Para recordar: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …