Avançar para o conteúdo principal

You got Mail

 Deolinda

Por António Jorge

De repente, e antes de esfregar de novo as mãos na tentativa de as manter quentes, facilmente percebo que esta minha crónica de Janeiro serve apenas e só para reforçar que, “e sem qualquer desprimor para o que de bom se vai fazendo além fronteiras”, a boa música portuguesa está de fato (e sem gravata) a respirar excelente saúde e por isso, recomenda-se e muito.

Começo então por fazer uma vénia a Nicholas Oulman, filho do iluminado Alain Oulman, que ao lado de Amália Rodrigues revolucionou para todo o sempre, o Fado de todos nós. O Jovem Nicholas realizou “Com que voz”, fantástico documentário que estreou no passado mês de Janeiro e que em 2009, venceu o Prémio de Melhor Primeiro Filme no Doclisboa. O álbum com o mesmo nome, (para muitos, o melhor disco de Amália), agora em versão 
resmasterizada e actualizada, está também disponível no mercado.

E de Amália para Zeca Afonso; ou melhor, para as músicas do Zeca e para os arranjos dos artífices “Zeca Sempre”. Um álbum que sabe bem a qualquer bom par de orelhas. Para além deste novo projecto, Nuno (Gangster Mascarado) Guerreiro está também de regresso aos discos em nome próprio. Este novo álbum revela-nos um Nuno Guerreiro, mais cantor, melhor interprete e ainda um escritor de canções a querer abrir portas para outras escritas no futuro.

Ainda em Janeiro, Legendary Tigerman, para não variar,  brincou muito pouco em serviço e arrebatou por completo todas as almas que esgotaram o mítico Coliseu de Lisboa. Dias depois foi a vez da banda portuguesa que mais discos vendeu o ano passado em Portugal, esgotar os Coliseus do Porto e da capital; obviamente, os Deolinda.”Que parva que sou”, o inédito apresentado em ambas as salas, já está disponível on-line. 

A caminho de casa vão comigo, os novos álbuns de Miguel Brito Rebelo e dos Ban, mas também os singles de Mikkel Solnado, Mónica Ferraz e dos Turtle Giants; estes últimos a residir aqui ao lado em Espanha e a prometerem canções de quem vamos ficar amigos.

Está então feito o mais que justificado reforço à boa música feita por nós; pelos nossos. Mas também pelos que vindo de fora, encontram neste nosso Canto a inspiração para as letras e para os acordes.

Lá por fora, a expectativa tem vários tons e sabores. Os fins de tarde podem tornar-se mais agradáveis e coloridos com os novos discos de Bjork, Joan as Police Woman, Anna Calvi e The Naked and Famous. Ah sim, os Van Halen também merecem uma referência porque regressam com David Lee Routh.

A efervescente e prolífera movida sonora segue dentro de momentos. Volto a esfregar as mãos enquanto leio uma entrevista de Yoko Ono ao britânico Daily Mail. “ Se John fosse vivo adoraria Lady Gaga”. 

Pois!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …