Avançar para o conteúdo principal

Espaço Rock em Portugal


Peripécias da gravação de um disco

Os FM eram uma banda oriunda de Paços de Brandão, nascida no final de 1979.
No ano seguinte houve o “boom” do rock português e os FM, que eram constituídos por músicos que já tocavam juntos desde os anos 60, não quiseram ficar para trás.

Por Aristides Duarte 

Para isso assinaram um contrato com a companhia discográfica Roda, uma subsidiária da Vadeca (ligada à Valentim de Carvalho).

Era fácil conseguir um contrato discográfico nesses tempos. Os discos ainda eram de vinil, mas as editoras apostavam tudo no novo fenómeno do Rock português no sentido de retirarem o máximo proveito.

Foi assim que os FM partiram para Lisboa onde gravaram quatro temas que dariam origem a dois singles, que sairiam em 1981, na época de ouro do “boom”. Estes dois discos (o primeiro dos quais tinha por título “Em Rock”) tiveram alguma aceitação pública e os FM conseguiram atingir vários dos seus objectivos, nomeadamente a participação em programas de televisão e a realização de vários concertos.

Os dois singles do grupo eram de um estilo de música próximo dos “clichés” do Rock português, da época, embora no segundo (de título “Depois de Quinta”) se notasse já alguma melhor técnica e uma aproximação ao Jazz Rock.

Mas a maior aventura seria a gravação de um LP, com o título “Procurem na Sara”, editado em 1982.

Os FM partem, novamente, para Lisboa e nos Estúdios da Rádio Triunfo (entre Setembro e Dezembro de 1981) gravam um LP de Jazz Rock puro, embora com temas cantados.
A editora dispunha de um orçamento reduzido para a gravação do álbum e não se disponibilizou para o ultrapassar num único tostão.

A própria promoção deixou muito a desejar, já que a editora não estava interessada no som que os FM produziam, por ser pouco comercial. Foram os próprios membros da banda que tiveram que custear as despesas de deslocação e o resto que faltava.

Depois de seis meses de ensaios participaram na gravação, a título gratuito, mais de uma dezena de músicos que nunca se cruzaram durante as gravações. A parte final da gravação foi paga pelos membros da banda, uma vez que o tempo de estúdio pago pela editora já se tinha esgotado. As vozes foram gravadas em apenas uma hora de estúdio.

Como os músicos ficaram sem dinheiro, tiveram de ir à boleia de Lisboa até Paços de Brandão. Ainda tiveram que solicitar ajuda a amigos para custear a prensagem e edição do LP. 

Apesar disso ainda conseguiram duas datas no Rock Rendez Vous, onde tiveram bastante público, embora tocassem um tipo de música que não era, à partida, adequado para aquela sala de espectáculos.


Como era difícil ser músico nesses anos, apesar do verdadeiro gozo que dava… 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …