Avançar para o conteúdo principal

Crítica Musical

Os Dias de Raiva

 Link da imagem

É fantástico como nos dias que correm ainda haja projectos tão interessantes, centrados na divulgação de música portuguesa. Torna-se ainda mais interessante quando o monopólio discográfico deixa de ter peso e passa a ganhar concorrência vinda de outras áreas de mercado, como é o caso das comunicações. Falo do projecto Optimus Discos que se junta já a um leque de ofertas de luxo,  como é o caso do Clubbing, Secret Shows e o incontornável Optimus Alive que conta também  com um palco dedicado ás suas apostas.

Por Tiago Queirós 


É numa destas apostas que podemos encontrar disponível de forma gratuita, o álbum que apresenta ao mundo o novo projecto de Pacman, numa altura em que ainda se digere o fim dos Da Weasel , que marcaram, de forma ímpar, a música portuguesa dos últimos anos.

Renunciando ao nome que o lançou no estrelato, Pacman é simplesmente Carlão neste novo rumo que dá à sua carreira, deixando para trás o nível juvenil dos autores de «Re-Tratamento» e abraçando as sonoridades que marcaram a adolescência da segunda metade dos anos 80.

De volta às origens de 30 Motherfuckers (desta vez em português) e de temas como «God Bless Johnny» que lançaram os posteriores DW, os Dias de Raiva apresentam uma sonoridade mais apontada para o Hardcore estandarte da Margem Sul do Tejo. Não seria, o agora, Carlão o maior icone da sua tão amada “Almada Cru” se deixasse de fora do mapa o que de melhor se faz na sua área.

Desde «Tás na Boa» que Pacman não conseguia algo tão rápido e pesado (retirando da fórmula «Bomboca (Morde a Bala)»), perfeito para fazer suar o mais ateu da sua religião sem ter que aguardar pelo encore. Sete temas que não prometem dar tanto que falar como o novo projecto de Virgul ( Nu Soul Family) mas que prometem momentos memoráveis ao vivo – ainda raros nos dias que correm atingindo dois picos , um no Festival Paredes de Coura onde abriram o ultimo dia e a Festa do Avante , onde certamente o tema «Camarada Comunista» terá ajudado à conquista.

Engane-se quem associe o hardcore dos Dias de Raiva às influências que os Beastie Boys tinham deixado na carreira do vocalista / MC. Este tipo de som rebelde é muito mais apontado aos míticos Dead Kennedys de «Holiday in Cambodja» , de onde se retira muito do baixo violento e das guitarradas cheias de riffs em overdrive. 

 O baterista, esse não tem de provar nada a ninguém também. Fred Ferreira tem no seu curriculum algumas das bandas mais badaladas dos ultimos tempos no nosso país. Do muito aplaudido projecto Orelha Negra,  deixando a sua marca em bandas como Yellow W Van, Dapunksportif, Micro Audio Waves, Os Maduros, Radio Macau, OIOAI ( de onde pertencia o baixista Nuno Espírito Santo) e até mesmo pelos Buraka Som Sistema. Olhando para os créditos, podemos concluir que é o ponto de encontro dos elementos deste projecto , visto que Nuno Espírito Santo ( Baixista) também já se tinha cruzado com ele nos OIOAI, assim como, João Guincho (guitarra) e Paulo Franco (guitarra) nos Dapunksportif. Este ultimo abandona os vocais em prol do reconhecido frontman e letrista do projecto.

O discurso directo é presente do princípio ao fim nos apenas sete temas, transmitindo a «raiva» misturada em palavras de ordem e de certas alegorias rebuscadas apenas no limite do que se quer. A mensagem antes de ser complexa deve ser perceptível, e nisso não pecam. Os «dialectos» estão mais politizados do que nunca.

O destaque vai para «Elogio de Raiva» que cativa da melhor forma possível logo a abrir as hostes; «Camarada Comunista» que se demonstra mais do que efusiva apesar de soar mais a Pacman do que a Carlão; e «Sem Moral» , que anuncia todo um potencial de destruição incalculável!
 



O álbum em si não se destaca de grandes nomes do género no nosso país, como é o caso dos For the Glory, Devil in Me ou até mesmo de exemplos da Academia de Linda-a-Velha ( a famosa LVHC) como os Mordaça ou Trinta e Um , mas o facto de apostar neste sub-género do Punk em português,  e sendo o super-grupo que é, torna-o de facto bastante apelativo. No final, a conclusão que se retira é de se tratar de uma surpresa agradável, apesar de ainda soar demasiado a Da Weasel, mas que não deixará ninguém desiludido.

Abrindo apetites: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …