Avançar para o conteúdo principal

Belle and Sebastian em Modo Pop


Da bucólica e enregelada Escócia para os escaparates mundiais, conheça a estória da inacessível banda de culto local que se transformou num fenómeno indie global. São os Belle and Sebastian, hoje em Modo Pop.

Por Susana Terra

Seis perfeitos desconhecidos “revolucionaram” o panorama musical escocês, ou melhor, talvez não tanto, dada a profusão de conhecidas bandas nascidas no referido solo, por sinal bem fértil – The Jesus & Mary Chain, Primal Scream, Travis, Cocteau Twins, Simple Minds, Eurythmics ou Franz Ferdinand, entre outros. 

A estória começa quando Stuart Murdoch e Stuart David se conheceram enquanto estudantes de música. Para terminar o curso, Murdoch necessitava de fazer umas gravações e Davis ajudou-o a reunir uns amigos. E é esta a génese dos Belle & Sebastian, cujo nome foi inspirado em duas personagens de uma série de livros infantis franceses. Por outro lado, dizem as más-línguas que "Belle" se refere a Isobel (Campbell) e "Sebastian" a Stuart (Murdoch), uma vez que tiveram um relacionamento amoroso durante alguns anos… Isobel Campbell abandonou o grupo em 2002 e fixou a sua carreira a solo nos EUA, sendo bastante conhecida e aplaudida pela crítica na sua colaboração com Mark Lanegan (ex-Screaming Trees, Queens of the Stone Age). 

Em Abril de 1996 gravam “Tigermilk”, um álbum com uma distribuição muito restrita (mil exemplares em vinil, raridade que hoje é comercializada a preços proibitivos) nos concertos que a banda dava em Glasgow. Catapultados para o sucesso pela crítica, o estatuto de banda de culto em muito se deveu à sua resistência quer em assinar pelas major labels, no sentido de manter a total liberdade criativa, quer pelo facto de terem adoptado uma postura de inacessibilidade a entrevistas e sessões fotográficas. 

No ano seguinte, gravam “If You’re Feeling Sinister”, considerada a obra-prima do grupo, e o sucesso da banda dissemina-se pela Europa. Lançam mais dois álbuns até que em 2000 Stuart David deixa o grupo e, em 2002, é a vez de Isobel Campbell. Neste mesmo ano assinam pela Rough Trade/Sanctuary. Esta mudança acaba por ter reflexos na produção do álbum “Dear Catastrophe Waitress”, com uma sonoridade algo retro, marcada pela etérea leveza e simplicidade pop e cujo segundo single, “I’m a cuckoo”, alcançou boas posições nas tabelas europeias.

Será, contudo, em 2006 que o fenómeno ainda algo circunscrito da banda de culto segue o rumo da mediatização com o álbum “The Life Persuit”, que trouxe os Belle & Sebastian a Lisboa, com a primeira parte a cargo dos Pop dell’Arte. 

Ainda em actividade, os Belle & Sebastian são um raro caso de sucesso e de coesão em termos da qualidade dos álbuns produzidos. Tidos como uma das bandas de referência e de influência do universo pop, vale a pena parar uns minutos para relaxar ao som da sublime banda que Glasgow trouxe ao mundo.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …