Avançar para o conteúdo principal

Crítica Musical

 The Decemberists
Álbum The King is Dead


 Link da imagem

O ano muda mas a indústria não pára. 2011 é já um ano de expectativas altas, e muitos são os álbuns que já fazem correr tinta. The King is Dead , dos Decemberists, é sem dúvida um deles.

Por Tiago Queirós 

O novo dos The Decemberists era por muitos apontado como sendo um álbum a adquirir. A verdade é que desde 2002 que a banda têm sabido cativar o seu público de forma coerente e sem grandes arranjos que fujam ao estilo que captou a atenção do mundo para o seu projecto.

Ao que parece, estes rapazes juntaram-se algures pelo Estado de Oregon, bem longe da confusão da metrópole e concentraram a sua música no meio de um vasto campo bem ao estilo «Green Acers» . O álbum reflecte isso mesmo.

O distanciamento da confusão da cidade provocou uma espécie de caminho espirítual na produção deste novo trabalho e que conseguem transmitir de forma perceptível ao ouvinte.

Numa época onde o peso dos efeitos electrónicos se torna visível em vários géneros ditos alternativos, a banda opta por dar seguimento a uma sonoridade acústica, também ela em voga como é o caso do sucesso dos Mumford and Sons mas com várias referências folk e até mesmo country ao estilo bem norte-americano.

Renunciando aos clichés que por vezes a música popular sofre, pelo menos no sentido regional da coisa, os The Decemberists invocam com orgulho as suas raízes sem cair no ponto , tentador, de se tornar, desculpem-me a expressão, azeiteiro. Mas afinal o que tem The King is Dead de novo?
 
A resposta torna-se óbvia à primeira audição: a influência R.E.M. Peter Buck faz questão de oficializar essa semelhança emprestando os seus dotes na guitarra de onde se retiram temas como «Everybody Hurts», «Man on the Moon» e «Loosing My Religion».
É de facto notável e dá um certo arranjo mais pop-rock a uns Decemberists que voltam com este longa-duração, certamente, com o intuíto de captar novos ouvintes em prol de surpreender os veteranos do passado recente. Sente-se uma vontade de afirmação no grande público e a ligeireza de certos temas aponta um formato bastante radiofónico que encaixaria muito bem nas playlists nacionais.

A verdade é que, para quem esteja a par da discografia da banda, estamos perante um regresso ao nível lírico do álbum de estreia ( Castaways and Cutouts ) e verificamos uma melhoria assinalável dos temas comparando com os trabalhos anteriores.

O título relembra The Queen is Dead dos The Smiths, que ao que parece foram também uma influência para Colin Meloy (vocalista e guitarrista) que decide assim mostrar o seu tributo.

Mas voltando ao The King is Dead, temas como « Down by the Water» no seu up-tempo e «This is Why We Fight» prometem perdurar no timpano durante horas a fio de tão viciantes que se podem tornar.

«Rise to Me», «June Hymn» e «Don't Carry it All» vão certamente apaixonar o ouvinte de tamanha ternura que carregam. «Rox in the Box» soa ao mais tradicional Country de salão , que por vezes se pode tornar cansativo de tão folclórico que soa. E é aqui que peca este King is Dead. Previsível e por vezes pouco entusiasta. 

A forma simplista denota a falta de pequenos retoques que poderiam fazer a diferença, por vezes disfarçados (e bem diga-se) pelo uso do acordeão. O álbum em si é uma constante, com poucos picos ao nível de tempos e muito menos ao nível de arranjos. De qualquer forma é de louvar a honestidade da música dos The Decemberists neste sexto álbum da banda . Se nos deixarmos levar quase de forma pastoral e embalar-nos na voz encantadora de Buck e de Gillian Welch (que dá um certo toque de requinte numa conjugação sublime) entramos numa viagem quase espiritual pelos mesmos pastos onde a banda norte-americana se foi inspirar.
Os fãs da música de raiz americana, apontando para os fãs da fase mais folk de Neil Young, não irão certamente querer perder a oportunidade de adquirir este álbum.

Simples mas bastante eficaz, longe de ser uma obra-prima mas perfeito para começar o ano sem grandes sobressaltos.

 Abrindo apetites: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …