Avançar para o conteúdo principal

Paulo Praça no Inovaluso

 Link da imagem

No Inovaluso desta semana o convidado é  Paulo Praça, à boleia do tema“Amor Alheio”. Trata-se do  primeiro single  do segundo álbum do cantor, Dobro dos Sentidos. 

Por Júlia Rocha 

O álbum é produzido pelos Bitch Boys (Paulo e Simão Praça). Valter Hugo Mãe escreveu algumas letras para Paulo Praça que compõe todas as músicas do seu álbum. O letrista já tinha colaborado com Praça no álbum anterior, Disco de Cabeceira. O som é descrito como um pop/rock alternativo, algo que se verifica na música Amor Alheio. Para quem não sabe , o cantor é nortenho, de Vila do Conde .

A letra fala-nos de amor e o que é amar. Se vale a pena, se lutar por amor e por amar interessa. Mesmo com “monstros” a pairar ao lado., o cantor diz-nos “apareci num amor alheio” e que “amar é coisa de morrer”. Ele “não quer freio”, por que não desiste. Não é assim que o amor é? Nesta música encontramos um sentimento a ser descrito.  O que é melhor que a música para expressar sentimentos? 

O videoclip (realizado por Henrique da Silva) é cativante, transportando o leitor para um ambiente infantil. Mostra os monstros referidos na letra, mas de uma forma infantil, como se fossem aqueles que nos assombram os sonhos quando somos crianças. Monstros de peluche e um pequeno macaco de circo. As cores são vivas e remetem-nos para a inocência do imaginário  infantil.

Mas a letra é bem mais adulta e carregada de ricas expressões e palavras. A língua portuguesa ajuda , e muito. As composições de Paulo Praça estão aqui para ficar. Um nome a ouvir, sem dúvida! Depois de colaborar em vários projectos (sendo um dos mais icónicos,  o projecto Amália Hoje , que integrou em 2009)  o músico dá mais enfoque agora à sua carreira a solo. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …