Avançar para o conteúdo principal

Mundo Cão

A obscuridade invade o Inovoluso

 Link da imagem

Sombrios, poéticos, dramáticos, de letras intensas, instrumentais que “rasgam” a consciência para a necessidade do “sentir”. Vivem a vida pela vida, com a intensidade de um poeta maldito, ou de um actor suicidário, a diletância de um saltimbanco ou a espontaneidade de um marinheiro bêbedo. Tal como os caninos, esta geração vive em matilha e cada cão é a liberdade. É esta a "Geração da Matilha"… “ e são estes os Mundo Cão!

Por Paula  Cavaco


A banda bracarense, formada em 2001, “nasce” na sequência de um convite de Miguel Pedro (baterista e fundador dos Mão Morta) ao actor Pedro Laginha (que havia já colaborado com aquela banda no videoclip de "Cão da Morte") para vocalizar algumas das suas músicas. Mas esta experiencia faz despertar a confiança num projecto de maior dimensão. São, então, convidados Vasco Vaz (guitarra dos Mão Morta e dos míticos BrainDead), Budda (guitarra) e Nuno Canoche (baixo) para se juntar “à festa”. 

Adolfo Luxúria Canibal (vocalista Mão Morta) assume o papel de “padrinho de baptismo” e dá o nome à banda, assim como “alimenta”, com as suas letras este “Mundo Cão” (álbum homónimo, 2007). A banda percorre então o País de lés a lés, “uivando para a lua” com o seu “Caixão da Razão” e apoiados no “Andarilho do Desejo”, vasculhando por completo a nossa ficção. E ficamos todos de tal forma “dopados” com a sua “Morfina” que “somo osbrigados” a entregar-lhes o Globo de Ouro (2007) para “Melhor Banda Revelação”.

O segundo álbum, “A Geração da Matilha” (2009) faz-nos render à “ordem” de amor indiscutível, confirmando-se com este trabalho o enorme valor dos Mundo Cão, dentro do panorama musical nacional.

A apresentação do novo trabalho é feita através do videoclip de “Ordena que te Ame”, realizado pelo cineasta Carlos Conceição, e que nos remete para o “plateau do horror” de “Freaks”, filme de 1932, de Tom Browning.





As letras “dark” e incisivas, “cortantes” e, ao mesmo tempo, arrebatadoras de Valter Hugo Mãe (Prémio Literário José Saramago, em 2007) e, uma vez mais, Adolfo Luxúria Canibal aparecem misturadas com instrumentais assombrosamente poderosos, como é o caso da faixa que dá título ao álbum, ou “Amantes sem Sal” ou ainda, a “pecaminosa” “Cidade do Pecado”. 

Mas desengane-se quem pensar que só de “sound power” vive este álbum. O “doce” também lá está, por exemplo, em “Dá-me Amor ou Ódio”, na qual se respira uma deliciosa atmosfera de sensualidade, muito por culpa da “interpretação” vocal de Pedro Laginha, que não poderia estar mais soberbo.



Em 2009, a banda tem a oportunidade de se apresentar ao lado de grandes nomes da música internacional, primeiro junto dos magistrais AC/DC (Estádio de Alvalade, Lisboa), e depois, em Paredes de Coura, numa entrada a condizer com o poderoso e irreverente Trent Reznor e ocompanhia.

2011 será um ano de “standby” para os Mundo Cão. A necessidade de “paragem” deve-se à nem, sem sempre fácil, situação de partilha de membros com os Mão Morta. Este ano, e segundo o próprio Pedro Laginha, é “o ano Mão Morta”: novo álbum a ser lançado e a comemoração dos 25 anos de existência daquela incontornável banda nacional. No entanto, o vocalista dos Mundo Cão “ameaça”: “Para no próximo ano estarmos de volta e em força!”… e nós ...trememos de satisfação. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …