Avançar para o conteúdo principal

Jorge Palma no Luso Vintage

 

Link da imagem

Autor, compositor, cantor, letrista. Os predicados são muitos e assentam na perfeição quando se fala de Jorge Palma. Com uma carreira imensa de sucessos, é um dos mais conhecidos músicos a nível nacional. As letras das suas músicas são verdadeiros poemas, e a composição musical é puro encantamento. Hoje no Luso Vintage.  

Por Carmen Gonçalves

Originalmente publicado a 27 /12/10 

Desde pequeno que a música está presente na sua vida, tendo aprendido piano e guitarra ainda em criança, e por conseguinte, pertenceu a bandas rock nos seus tempos de juventude.

Em 1969 integrou os Sindikato, uma banda rock que viria a participar na primeira edição do mítico Festival de Vilar de Mouros, em 1971. Influenciado pelos outros membros desta banda, iniciou-se ao nível da composição e escrita musical, surgindo assim as suas primeiras canções. Gravou ainda um álbum de versões com a banda, mas o trabalho criativo musical, fê-lo lançar um single a solo “The Nine Billion Names Of God”, em 1972, o único registo musical editado em Inglês.

Um ano mais tarde editou o seu primeiro single em português, fruto de uma aprendizagem da escrita na língua de Camões com José Ary dos Santos, e em 1975 lançou o seu primeiro Longa Duração, “Com Uma Viagem na Palma da Mão”, dando assim, o início a uma carreira promissora.



Em 1977 surgiu o seu segundo álbum, “Té Já”, resultante de um período de intenso trabalho, e viajou além-mar para mostrar a sua música, tocando por ruas de diversas cidades no Brasil, Espanha e França. Os seus palcos eram esplanadas e estações de metro, e animava quem passava, não só com os seus temas originais, mas também com versões de músicos, como Bob Dylan ou Paul Simon.

Com o regresso a Portugal em 1979, edita o seu terceiro registo de originais “Qualquer Coisa Pá Música”, seguindo-se inúmeras actuações a vivo.


A década de 80 viria a ficar marcada pelo génio criativo de Jorge Palma, tendo editado cinco álbuns, cujos temas marcaram a música nacional desta década, tendo, alguns deles, tornado-se ícones intemporais do panorama musical.

Acto Contínuo” foi lançado em 1982 e dois anos mais tarde surgiu nas lojas da especialidade o quinto registo de originais, “Asas e Penas”, que contém o tema “Estrela do Mar”. Em 1985, editou “O Lado Errado da Noite”, do qual foi extraído o hit-single “Deixa-me Rir”.


“Acto Contínuo” foi lançado em 1982 e dois anos mais tarde surgiu nas lojas da especialidade o quinto registo de originais, “Asas e Penas”, que contém o tema “Estrela do Mar”. Em 1985, editou “O Lado Errado da Noite”, do qual foi extraído o hit-single “Deixa-me Rir”.


Com a edição do álbum, Jorge Palma iniciou uma digressão nacional, tendo pelo meio gravado mais um disco, um ano mais tarde, “Quarto Minguante”. Entre estudos de piano, conflitos com a sua editora e a consagração entre o público, Jorge Palma grava em 1989 o seu oitavo registo de originais, “Bairro do Amor”.

Com a consolidação da sua carreira, a década seguinte seria para dar azo a novos projectos musicais, não sem antes ter sido editado “Só”, um registo intimista, onde revisita ao piano os seus temas de maior sucesso.
Em 1993 surge o projecto musical “Palma’s Gang”, em que juntamente com Zé Pedro e Kalú dos Xutos e Pontapés, e Flak e Alex dos Rádio Macau, revisita pela segunda vez os temas da sua carreira, desta feita com uma roupagem mais rock.

Em 1996 Jorge Palma integrou os “Rio Grande”, que resultou num grande sucesso musical, tanto na edição do álbum, como nos inúmeros concertos a nível nacional. Nesse mesmo ano, editou um álbum em jeito de best-of, a compilação “Deixa-me Rir”.

Os próximos anos ficariam marcados por concertos de norte a sul, bem como a contribuição em alguns projectos, como o caso do álbum tributo aos 20 anos de carreira dos Xutos e Pontapés, “XX Anos XX Bandas”, tendo re-interpretado o tema “Nesta Cidade”.

Em 2000, foi editada mais uma colectânea de visita à carreira de Jorge Palma, “Dá-me Lume”, que teve um êxito comercial estrondoso, e no ano seguinte, surgiu o álbum “Norte”, com um espaço de mais de dez anos entre o anterior. A aceitação pelo público foi enorme, tendo sido nomeado para alguns prémios nacionais.

Esta década continuou a ser marcada por participações em diversos projectos musicais e colaborações com vários músicos e artistas, e só em 2007 surgiu um novo registo de originais “Voo Nocturno”, o décimo álbum da sua carreira, que teve um enorme sucesso, em muito devido ao tema “Encosta-te a Mim”. 

Sem dúvida é um dos artistas nacionais que marcam a actualidade. Mais do que músico, é um poeta, que inventa e reinventa novas formas de contar histórias envoltas em melodias admiráveis, ao longo de mais de trinta anos e “enquanto houver estrada para andar”.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …