Avançar para o conteúdo principal

Death From above 1979 na Dança do Som


Na Dança do Som desta semana trazemos Death From Above 1979, que vão marcar presença na edição deste ano do Festival Paredes de Coura. Os organizadores contam com o som electrizante dos canadianos mais uma vez, depois da presença no festival minhoto em 2005, um ano antes da separação do grupo.

Por Júlia Rocha 

No início deste ano os Death From Above anunciaram o seu regresso aos palcos. Desde 2006 que a dupla estava separada. Agora regressam novamente, apesar de ainda estarem ocupados com os seus projectos a solo. Os Death From Above 1979 são formados por Jesse F. Keeler e Sebastien Grainger, que se conheceram num concerto dos Sonic Youth. Contudo, geralmente, a dupla conta outras alternativas a esta história: que se conheceram num navio de piratas ou numa casa funerária.

O nome Death From Above 1979 surgiu depois de verem o filme Apocalypse Now, em que aparece um helicóptero com o mesmo nome. O 1979 foi acrescentado para não haver confusões com a DFA Records. 1979 é também  o ano de nascimento de um dos membros da dupla. A música do grupo é bastante electrizante e um pouco pesada para quem não gostar desta sonoridade. Não deixa contudo de ser contagiante: considerada por muitos, uma mistura de Rolling Stones com Black Sabbath.


 O nascimento da banda em 2000 só ficou realmente patente em 2002,  com o lançamento do EP Heads Up!. Mas foi em 2004 que a dupla canadiana tornou-se realmente conhecida com o álbum de estúdio You’re a Woman, I’m a Machine. É deste registo , gravado em Toronto e Montreal, que saem as mais conhecidas músicas dos DFA 1979. Na Europa, apesar da pouca promoção , obteve boas críticas e chegou a disco de ouro no Canadá. 


Em 2005 lançaram o segundo álbum de estúdio: Romance Bloody Romance, que ficou marcado pelos rumores que circulavam no backstage acerca do distanciamento de Keeler. Numa performance no programa Late Night with Conan O’Brien tocaram Romantic Rights.
 Max Weinberg , da E Street Band e baterista da banda do programa, ajudou na segunda parte da música. Em Agosto de 2006 os canadianos anunciaram a ruptura definitiva; os próprios referiram que tinham alcançado as suas “expectativas musicais” relativamente ao grupo e à sua música.

No inicio deste ano Sebastien Grainger anunciou o regresso da banda através de um comunicado escrito no fórum oficial dos Death From Above 1979. Grainger fala na colisão de dois mundos diferentes. Keeler continua assim o seu trabalho no baixo e no sintetizador e Grainger na voz e bateria. Os canadianos dispensam guitarras nas suas composições. 

Em Paredes de Coura vamos assistir a mais uma etapa na vida deste grupo canadiano, que se apresenta pela primeira vez em Portugal com o seu som electrizante e apresentação dos álbuns já gravados. Os Death From Above têm muitas datas marcadas para os próximos meses, incluindo o Festival de Leeds e o Lollapalooza em Chicago.


Abrindo apetites: 






Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …