Avançar para o conteúdo principal

Go Graal Blues Band



Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Por Patrícia Rodrigues
Originalmente publicado a 3 de Novembro de 2010

Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.

E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo , João Allain , Raúl Barrigas dos Anjos , Augusto Mayer  António Ferro, João Esteves  e José Carlos Cordeiro .

Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda teve um enorme sucesso na camada estudantil, sobretudo pelos inúmeros concertos que deram, mais do que pela venda dos seus três LPs.

Os álbuns

A estreia discográfica deu-se sob a baixela da Imavox com um álbum homónimo, de onde se destacam os temas "Baby, I Wanna…", "The Fault Is Her Own" e "The Last One", onde o grupo adopta uma postura dedicada aos blues eléctricos.

O segundo registo discográfico, White Traffic, é lançado em 1982, sendo notório o amadurecimento e sucesso da banda. Deste LP fazem parte temas como "N'Roll", "Lonely" e "Guetto Drunk"

Até ao lançamento do seu terceiro álbum, em 1987, o grupo editou o Mini-LP "Blackmail" (onde se podem escutar temas de blues/rock como "Champagne All Night", "Love Fashion" e "Midnight Killer" ) e ainda o Máxi-Single "Dirty Brown City"  com temas como "Dirty Brown City", "Fast Flirt" e "Wild Beat Blues".

No entanto, após o  último álbum do grupo, "So Down Train" sai Paulo Gonzo e inicia-se a decadência da banda, pois este é um trabalho que será marcado pelo fracasso e a consequente diminuição dos concertos.

Não se pode é deixar de realçar o papel desta banda no desbravar de caminho na cena musical portuguesa e o seu contributo para que o Blues em Portugal seja uma realidade ainda hoje e para o qual contamos com “The Legendary Tigerman”, “Nobody’s Bizness” ou uns “Born a Lion”, entre outros.

Discografia

Álbuns
    * Go Graal Blues Band (LP, Imavox, 1979)
    * White Traffic (LP, Vadeca, 1982)
    * Blackmail (Mini-LP, Vadeca, 1983)
    * Go Graal Blues Band 1979~1983 (LP, Colectânea, Vadeca,1983)
    * So Down Train (LP, Schiu!/Transmédia,1987)

Singles
    * They Send Me Away/Outside (Single, Imavox, 1980)
    * Touch Me Now/Lay Down (Single, RCS, 1981)
    * Lonely/N'Roll (Single, Vadeca, 1983)
    * Casablanca/Wild Beat Blues (Single, Vadeca, 1983)
    * Dirty Brown City (Máxi Single, Vadeca, 1984)
    * Smell/Walking (Single, Transmédia, 1987)

Aguçando ainda mais o apetite pelo saudoso bolachão: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …