Avançar para o conteúdo principal

Eduardo Mãos de Tesoura na Máquina do Tempo


Gosta de magia e de contos de fadas ? Bingo, então  a Máquina do Tempo desta semana é para si, já que o  encontro está marcado com  Eduardo Mãos de Tesoura. Após ter realizado Batman, Tim Burton viu-se reconhecido como grande realizador e pôde finalmente fazer um filme com total controlo criativo.A história do cinema agradece.


 Por Miguel Ribeiro

"Eduardo Mãos de Tesoura" conta a estória de uma criação proveniente da mente de um cientista (interpretado por Vicent Price) com o objectivo de criar um ser artificial de nome Edward (Johnny Depp). O problema é que o seu criador morre sem antes completar o seu trabalho, deixando o jovem com tesouras no lugar dos mãos. Após ser descoberto a viver sozinho na mansão onde “nasceu” por Peg Boggs (Diane Wiest), esta leva-o para a pequena comunidade suburbana onde vive.

Edward encontra vários problemas de adaptação , principalmente por causa do namorado de Kim Boggs (Winona Ryder)  que o tenta pôr numa luz menos boa à vista da comunidade. Não querendo revelar o resto do filme,  a conclusão da obra a meu ver é extremamente poderosa e é óbvio que se traçam paralelos com o filme Frankenstein (1931).

Tim Burton e a guionista Caroline Thompson criaram uma estória que bebe de muitos contos de fadas e de filmes , cujo conceito anda à volta de personagens isoladas da sociedade como,  O Corcunda de Notredame (1928), Fantasma da Ópera (1925) e King Kong (1933).

 Burton apresenta um filme visualmente impressionante, principalmente pela forma como manipula o nosso estado de espírito para com determinadas cenas. Inicialmente temos algo que é facilmente reconhecido como “Burtonesco” com a Mansão do cientista, tipicamente de motivos góticos, e com uma paleta de cores fria (azuis, cinzentos) , apresentando-nos depois a pequena comunidade suburbana cheia de vida, de cores, (verdes, rosa, amarelo).

O espectador é desde logo envolvido numa atmosfera envolvente, que invoca plasticidade, que se deixa reflectir na falsidade e futilidade dos vizinhos da família Boggs, vendo-se o mesmo transparecido no Guarda-Roupa representativo de uma comunidade típica dos anos 50.

Juntamente com Tim Burton está Danny Elfman ,que criou a banda sonora desta obra e o famoso Stan Winston (Aliens, Predador, Exterminador Implacável),  que trabalhou nos efeitos especiais, nomeadamente as mãos de tesoura de Edward.

Aparentemente Jonny Depp não foi a primeira escolha para o papel principal; Tom Cruise, Michael Jackson, Tom Hanks, William Hurt e Robert Downey Jr. chegaram a ser contactados e/ou mostraram interesse no papel, tendo sido ultimamente escolhido Depp para o papel.

Aquando a leitura do guião, Depp achou a estória extremamente emocional e também traçou ligações pessoais à personagem. Querendo romper com o seu estatuto de ídolo teen, Depp entregou-se ao papel, e uma das formas de encarnar a personagem foi vendo filmes de Charles Chaplin, de forma a aprender a manifestar emoções sem diálogo. De notar que, embora seja universal, o papel desempenhado por Depp está extremamente bem conseguido e é, até agora, inigualável naquele registo. Realmente impressionante.

Tanto Tim Burton como Danny Elfman consideram esta a sua obra favorita e mais pessoal. De facto, a meu ver estamos perante um filme que é um conto de fadas moderno e apesar de já  terem passado mais de 20 anos desde a sua estreia, ainda continua a transparecer aquilo que é a magia do cinema. Um filme que pode ser visto por todos, sem insultar a inteligência de ninguém e que a cada um de nós toca de uma forma diferente.

Para recordar...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …