Avançar para o conteúdo principal

Clan of Xymox e a sua "Louise"

Link da imagem

Desde a sua formação, em 1981, na Holanda, os sons dos Clan of Xymox têm estado em constante mudança, sempre auto-superando-se e fazendo-nos quase sempre ficar sem fôlego, após cada novo lançamento. Mas que tipo de música  esta banda faz? Pois bem, é uma música do tipo Synthpop/Euro-dance "fast-beat" "gloomy" e gótico.


Por Paula Cavaco

A maior parte das pessoas conhecedoras de música (ou que se interessam por conhecer música) concordarão que Clan of Xymox é uma banda muito especial, que se tornou perita em nos "atingir" com um dos mais brilhantes sons electrónicos, tendo-se transformado essa, talvez, a sua maior "assinatura". Clan of Xymox tem um estilo musical muito típico...único.

A banda, fundada por Ronny Moorings, em 1981, na Holanda, estava destinada a conquistar tudo... mas primeiro começou por "seduzir" eficientemente a editora 4AD (com o seu mini-album "Subsequent Pleasures"), tornando-se assim no terceiro membro, de uma espécie de "trilogia sagrada" daquela reconhecida editora discográfica, juntamente com os Dead Can Dance e os Cocteau Twins.

Em 1985 o grupo  lança o seu primeiro álbum ("Clan of Xymox") com o "selo" 4AD. Gravado nos estúdios da Palladium, em Edimburgo o registo discográfico fica marcado, em termos sonoros, por sons electrónicos. O som não era o que habitualmente passava nas rádios, fugindo completamente ao "mainstream" da época. No entanto, com o passar dos anos (e mais bandas foram criando sonoridades parecidas), o álbum ganhou o seu "estatuto", como sendo um dos melhores trabalhos dos Clan of Xymox.

Mas em 1987 nascia um trabalho diferente: "Medusa", o segundo álbum do grupo. Um trabalho carregado de uma assombrosa atmosfera e melancolia, mas sem as referências "cliché" a cemitérios e sangue. Estamos a falar de um álbum "dark" mas, ao mesmo tempo, absolutamente brilhante, que deixa transparecer inequivocamente os espíritos talentosos dos elementos que, naquela altura, compunham o "line-up" da banda: Ronny (voz e guitarra), Pieter Nooten (teclados), Frank Weyzig e Anke Wolbert (baixo).

"Medusa" é profundo no seu conteúdo. É a materialização da mais bela forma de descrever os sentimentos, sejam eles amor ou tristeza. Quando se ouve este álbum, fica-se com um sentimento que não tem fim... talvez devido ao facto de que não há fim à dor para as pessoas que sofrem. Esta será a expressão máxima deste trabalho.

O "grito" desta dor, do sentimento que corrói, da verdadeira manifestação da alma ferida é, sem dúvida, a faixa "Louise", uma música que vai crescendo em nós à medida que a "intro" de guitarras "a galope" se desenrola e é "interrompida" por primeiro mencionar o nome de alguém que já não "está".

Em termos líricos, "Louise" é poesia pura, um lamento dolorido por um amor que partiu ("Louise It seemed a long time ago Louise I'll always remember that day..."), uma sufocante materialização por palavras da ausência ("... I feel I am diving deeper Into the darkest caves There's nothing at all To find a way...") e a necessidade de arranjar "culpado" pela perda daquele amor ("... And you promised me You told me You told me empty lies...).

De referir ainda a forma "desesperada" como Ronny "grita" pelo amor ausente, que é absolutamente arrepiante. Em termos de composição musical... "Louise" é a sinfonia de Ronny. Para recordar...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …