Avançar para o conteúdo principal

New Young Pony Club

Está aberta a pista!
 Link da imagem



Muito dificilmente alguém falhou a audição dos sons “punk dance” que os ingleses New Young Pony Club andam por aí a propagar. Uma mistura de Talking Heads, Blondie e The Clash, resgatando assim alguma da produção “new wave” nova-iorquina mais interessante do final dos anos setenta e adicionando uma generosa pitada de sofisticados sintetizadores. 

 Por Paula Cavaco

Tudo começou quando Tahita Bulmer, a vocalista, foi apresentada, por amigos, ao produtor Andy Spence, ambos apreciadores de Punk Rock e música de dança. Os dois começaram a escrever em conjunto, e Tahita assumia, nesta altura, por completo os vocais. No entanto, ao fim de algum tempo, os dois decidiram que era hora de começar a recrutar membros para formar uma banda. Convidam então Lou Hayter (teclados), Igor Volk (baixo) e Sarah Jones (bateria) para se juntarem à “festa”.

Em 2005  lançaram dois singles “The Get Go "e" Ice Cream” com o “label” da editora “indie” Tirk Recordings , sendo   o suficiente para chamarem a atenção do “big boss” da Modular Recordings, Steve "Pav" Pavlovic.

O nome da banda surgiu do “sonho” de Tahita em pertencer a um clube. A sua ideia original foi “Pony Club”, a qual ela descreve com “peculiares, excêntricos e divertidos”, mas como já existia uma banda irlandesa com esse nome… e como estes “Pony Club” eram mais “jovens”… “New Young Pony Club” pareceu-lhe o nome mais indicado.


Os primeiros trabalhos com o “selo” da Modelar (uma reedição de “Ice Cream” e um “The Bomb”) alcançaram postos nos “charts” algo desmotivantes, situação que a banda explica como sendo o resultado de não fazerem músicas “radio friendly” (o que se passava habitualmente nas emissoras radiofónicas).


Contudo, em Junho de 2007, sai o primeiro álbum “Fantastic Playroom”e tudo muda. A crítica rende-se perante as evidências e o álbum é nomeado para o “Mercury Music Award” (que premeia o melhor trabalho musical inglês e irlandês) e indicado pela revista “Maximag” (publicação líder na área da Dance Music) como “Album of the Month” (álbum do ano), na sua edição de Julho.

“The Optimist”, o segundo álbum dos NYPC é lançado em 2010 e fica marcado pela ausência do baixista Igor Volk e uma diferente sonoridade, mais sombria, de tons energéticos de “gothic funk-pop” a fazer lembrar os Siouxsie & The Banhsees ou os LCD Soundsystem. Neste trabalho, a banda, assume um som mais experimental e atmosférico. Prova disso são faixas como “Stone”, “Architect Of Love”, “Lost A Girl”, “Chaos” e “We Want To”.

Em conclusão, o segredo para o sucesso de New Young Pony Club não reside nas suas influências, mas nas canções. Melodias que, quer goste-se ou não do género, ficam a ecoar na nossa mente. 

Abrindo apetites:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …