Avançar para o conteúdo principal

Modo Classic Rock

My Generation, by The Who

Link da imagem

No modo Classic Rock desta semana transmitimos um dos confrontos mais antigos e repetidos na história do Homem: Num canto da arena, pronto a combater, o tradicional “no meu tempo não era assim, onde é que este mundo vai parar?”; no canto oposto, gritando e esperneando,  o rebelde “Ninguém me compreende, eu sou diferente e quero encontrar o meu lugar”. O relato do duelo ouve-se na voz de Roger Daltrey e os The Who fazem o coro: “I’m talkin’ about my generation!”

Por Maria Coutinho

Trata-se da música dos The Who que mais alto voou nos tops europeus, e o facto de ter uma letra simples e directa , versando um tema universal - o conflito de gerações - pode ter dado uma ajuda. Afinal quem é o jovem que não vibra em feedback a este vigoroso protesto “proto-punk”? Especialmente na Inglaterra dos anos 60, onde em cada esquina, em cima da sua scooter, havia um “mod” (abreviatura de “modern”) de casaco de cabedal pronto a fazer eco de qualquer rebelião juvenil que despontasse.

Mas a música que deu o título ao álbum “My Generation”, de 1965, contava com mais alguns trunfos para chegar onde nenhum trabalho da banda chegara antes: a irreverência da composição, o gaguejar (propositado, de forma a lembrar alguém em speed – a droga mod por excelência) e, “last but not least”, a (literalmente) estrondosa actuação no programa Smothers Brothers Comedy Hour.

E porque destacamos esta exibição ao vivo e não outra? Porque neste famoso programa de Tv , Pete Townsend e companhia não se limitaram ao ritual de distorção e guitarras partidas que já lhes era habitual nas saídas de palco. Desta vez juntaram um efeito pirotécnico, mandando instalar explosivos na bateria de Keith Moon, que seriam detonados quando uma das guitarras fosse esmagada contra eles… Mas algo correu terrivelmente mal, a explosão foi muito maior do que se previa e, além de ficar com o cabelo em chamas, o guitarrista acabou com uma lesão definitiva no ouvido.




Não esquecer  que esta música deixou marcas em mais ouvidos do que o de Pete Townsend. A lista de bandas que contribuíram para o mito com versões próprias do tema é enorme e passa por nomes tão emblemáticos como os de Alice Cooper, Oasis, Greenday, Phish, Patti Smith e Iron Maiden.



E não podemos deixar de mencionar a versão de Hilary Duff, a estrela adolescente que mudou a letra da música, tornando-a um pouco mais cor-de-rosa, e que foi altamente contestada pelo público, levando mesmo a revista Rolling Stone a considerar que esta foi uma das piores versões alguma vez feitas.

"My generation" é uma daquelas obras que marcam pela novidade, pela qualidade, mas também pela atitude. E não marcam uma geração, mas muitas. O aparente conflito entre jovens e adultos há-de existir sempre e enquanto houver juventude para a descobrir, e adultos para a lembrar, a distorção explosiva do tema continuará a inspirar a rebelião juvenil de muitas mais gerações.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …