Avançar para o conteúdo principal

Patrick Watson, directamente do “laboratório” para o “Modo Pop”

 Link da imagem

Em menos de uma década, o compositor canadiano Patrick Watson ganhou a atenção internacional. As suas músicas parecem saídas (tal é a sua forma exuberante) de um qualquer laboratório de “mad science”. E é exactamente io que o  senhor é: um cientista. Um cientista de sons hoje em Modo Pop. Confira.

Por Paula Cavaco

Nascido em 1979, no Quebec (Canadá), Patrick Watson é o “frontman” de uma banda chamada “Patrick Watson”. (Não… não me enganei a escrever, é mesmo assim). O caro Watson admite que o grupo começou em jeito de brincadeira há alguns anos atrás, produzindo música para acompanhar uma produção fotográfica. Depois de construir um cd com base naquelas imagens,  e ao levá-lo cá para fora, o público aderiu. E tudo começou assim.Depois vieram os discos e o nome permaneceu intacto até hoje.

Conhecido especialmente por ter sido o responsável, em termos líricos, por algumas músicas dos “The Cinematic Orchestra” (no álbum “Ma Fleur”, no qual também dá voz à “To Build a Home”), Patrick Watson é também reconhecido pela banda sonora de “C'est pas moi, je le jure!”, filme franco-canadiano, lançado em 2008, a qual foi inteira composição sua ( o que para um jovem compositor com 31 anos… é obra).

E como deveremos “classificar” esta banda, em termos sonoros? Penso que o mais “realista” será dizer que é um perfeito “mix” do “dream-pop” dos Beatles e dos Pink Floyd, ao qual é adicionado um pouco de Radiohead e para terminar a “receita”, uma voz em muito semelhante à de Jeff Buckley. Tudo isto “acompanhado” por instrumentalizações “mad cientist”. Uma delícia “sonora”, asseguramos.

“Os” Patrick Watson contam com três álbuns lançados: “Just Another Ordinary Day” (2003), “Close to Paradise” (2006) e Wooden Arms”. O segundo trabalho da banda, “Close to Paradise” valeu-lhes o “2007 Polaris Music Prize” e o seu “front man” arrecadou a distinção “New Artist of the year” nos “Juno Awards” (distinção para os valores musicais canadianos).

“Wooden Arms”, lançado em 2009, é um “mergulho” em sonoridades talvez um pouco estranhas quando não se está habituado a “experimentalismos”.

É a imprevisibilidade por vezes levada quase ao extremo, como é exemplo a faixa “Traveling Salesman”. O piano (tocado de forma eximia por Watson) é uma constante, assim como as precursões “entusiasmadas”, tudo isto num álbum que, há medida que o vamos ouvindo, se revela uma caixinha de pequenas “grandes” surpresas. Convém ainda sublinhar o registo vocal. Uma voz que vai do adocicado ao rebelde em meros segundos, deixando-nos sempre com a sensação de que Jeff Buckley afinal ainda está por cá...


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …