Avançar para o conteúdo principal

Espaço The Indies

The Best Of Smash Hits - The 80s!




 Por Bruno Vieira

Numa das minhas idas a Londres deparei-me com um livro numa conhecida loja de música, que me deixou curioso. Estou a falar de The Best Of Smash Hits (The 80s) e depois de folhear algumas páginas mergulhei, por momentos, na atmosfera que marcara a minha juventude. Não que a revista Smash Hits tenha feito parte da minhas leituras musicais, já que nunca me deparei com ela em Portugal, mas fez-me lembrar outra revista do género, a Bravo, que na altura nem sequer tinha edição portuguesa. Pouco interessava se percebíamos ou não alemão, quando o que mais queríamos eram as fotos, os posters e os autocolantes.

De volta a The Best Of The Smash Hits (The 80s), trata-se de um livro que compila o melhor da revista Smash Hits: os nomes mais sonantes, os acontecimentos mais importantes, os mexericos, as fotos e as poses, os pins, os posters, até os gadgets que fizeram furor naquele tempo, como o Commodore VIC 20. Pode ser encomendado por 10,49 libras (mais ou menos 12,50 €) na Amazon UK.

Sobre a história desta revista, o primeiro número saiu em Novembro de 78 com os Blondie na capa. Apesar de ter sido lançada no final da década de 70, a Smash Hits foi de facto uma revista dos Anos 80 , suportada em grande parte pelo fenómeno New Wave. Conheceu o período de maior sucesso durante esta década, quando por ela passaram prestigiados jornalistas como Mark Frith (autor do livro) e Neil Tennant dos Pet Shop Boys, entre outros. 

Os Anos 90 marcam o declínio da revista, à medida que o programa Top Of The Pops da BBC e a Big! Magazine ganham cada vez mais popularidade entre os jovens. Com as vendas a atingiram os valores mais baixos de sempre, o fim previsível viria a acontecer em Fevereiro de 2006, mantendo-se os serviços de rádio e televisão digital, bem como o website (http://www.smashhits.net/).

Uma das curiosidades do livro vem na página 191 e dá pelo nome Smashing Statistics, que não é mais do que o número de vezes que um determinado artista teve a honra de aparecer na capa da revista. De acordo com a Smash Hits é "a única tabela que realmente interessa!" (um pouco pretensioso, convenhamos), mas que espelha bem o quão importante era aparecer na capa de uma revista da moda, com os Duran Duran a surgirem destacadíssimos neste campeonato,  com nada mais nada menos que quinze capas. 

Um presente indispensável recomendado a todos aqueles que queiram recordar os tempos de juventude, ou mesmo quem não tenham vivido os Anos 80, mas que se interesse pela música desta década. A não perder…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …