Avançar para o conteúdo principal

Foge Foge Bandido no Inovaluso


 Link da imagem

Casa na Invicta. Vanguardismo. Lirismo. Amor. Vida.... Manel Cruz volta a inundar o nosso imaginário, desta vez não com os icónicos Ornatos Violeta, mas a bordo do projecto Foge Foge Bandido. A letra e o som estão garantidos pela "Borboleta" , em destaque no Inovaluso desta semana

Por Gabriela Chagas


Género:
 Indie/Alternativo
Membros:
 Manel Cruz, Nuno Mendes, Edu Silva, Nicô Tricot e António Serginho
Naturalidade:
Portuguesa
Companhia discográfica:
 Turbina
Localização actual:
 Porto

    Esta é uma caracterização minimalista de um projecto musical que fez regressar aos palcos Manel Cruz depois dos Ornatos Violeta, Pluto  e Supernada.

    Seja qual for o projecto, a sua voz é absolutamente inconfundível. Manel Cruz, nome artístico de Manuel Gomes Coelho Pinho da Cruz é um vocalista, guitarrista e letrista português.

    Com mais de 1500 seguidores no seu perfil no facebook e outros tantos fãs espalhados pelo país fora, os Foge Foge Bandido nasceram, segundo Manel Cruz, de “um namoro de acasos”. É um projecto de longa data, composto ao longo do tempo.

     No início não era um projecto, mas apenas músicas compostas ao longo dos anos com o contributo inspiratório de amigos que apareciam lá por casa de Manel Cruz.

    . Em 2008 Manel Cruz editou “O Amor Dá-me Tesão/Não Fui Eu Que Estraguei”, um livro com dois CD que pode ser visto como um filme, em que as músicas e as histórias desenham narrativas imaginárias. Mais uma vez a originalidade foi imagem de marca do músico, que apresenta "Foge Foge Bandido" como uma obra ancorada num livro ilustrado pelo próprio e que ilustra as suas vivências e as dos outros com quem se foi cruzando.

    “Foi tentar ao máximo expressar o processo, com a consciência, claro, de que o acaso se estende ao próprio entendimento desse processo e de que se calhar não percebi nada”, escreveu Manel Cruz na descrição desta obra.

    Borboleta, uma das músicas deste álbum, foi o cartão de visita escolhido para introduzir o projecto musical nas rádios portuguesas.

    Em 2010, o trabalho foi apresentado em auditórios e cine-teatros. E para este ano estão já agendados concertos em Faro, a 01 de Abril no Teatro Municipal e em Portimão, a 02 de Abril.

    Sucesso garantido certamente, até  porque:
     Se eu largar eu sinto a sua falta
     Se eu agarro ela perde a côr
     Ela não é dos meus dedos
     É dos meus medos
     E faço-me passar por uma flor
     Tento imaginar o que ela diz
     À espera de aprender

     In Borboleta, Foge Foge Bandido



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …