Avançar para o conteúdo principal

Pluto no Inovaluso

 Link da imagem


1991, Cidade Invicta.

O marasmo musical do Porto rompe-se com o aparecimento dos míticos Ornatos Violeta. Manel Cruz, Nuno Prata, Peixe, Donas e Kinörm revolucionam a música cantada em português. Nada será igual a antes. Cruz , porém, continua o percurso inovador ao comando  de novos projectos. Pluto é uma dessas ricas facetas. 

Por Susana Terra

Manel Cruz é já uma lenda no universo musical nacional, a prova que a melodiosa língua de Camões (e de todos nós) pode ser uma mais valia na composição lírica dentro do género rock, nas suas múltiplas vertentes (ska, funk). Cruz é o claro exemplo da sensibilidade artística vertida sob diversas manifestações: da ilustração e banda-desenhada (a sua primeira paixão) à escrita e criação musical.

Dos Ornatos resta a herança de “Cão!” (1997) e “O Monstro Precisa de Amigos” (1999) e, claro está, dos arrebatados concertos que arrastaram multidões e elevaram os Ornatos Violeta à categoria de banda de culto.

Em 2002, findos os Ornatos, Manel Cruz dá continuidade à sua carreira com dois projectos paralelos – Pluto e SuperNada – e em 2008 salta finalmente para o seu projecto a solo, há muito a fermentar, “Foge Foge Bandido”.

Dos Pluto chega-nos uma nova sonoridade mais crua, com mais garra e pesada, uma nova imagem de Manel Cruz, teimosamente unido à guitarra e com vocalizações mais expressivas, entoando com maior harmonia as palavras, ao invés do característico tom de contador  de estórias.

Para além de Manel Cruz (guitarra, voz), os Pluto contam ainda com Peixe (guitarra), Eduardo (baixo) e Ruca (bateria), tendo em 2004 editado o seu primeiro álbum – “Bom Dia” que saltou para o público com o single “Só Mais um Começo” e, posteriormente, “Entre Nós”. “Convite”, a sexta faixa do álbum, foi composta por Manel Cruz e Nuno Prata e seria com alguma veracidade parte integrante de um (in)certo terceiro álbum dos Ornatos.

A acutilante sensibilidade de Manel Cruz é derramada em cada palavra, em cada letra, em cada poema que dá substância e forma à música. Há sempre “algo seu”, uma parte de si arrancada e exorcizada ao longo de cada canção. Dirá Cruz: “É só o nada a bater-nos à porta / E a mim importa-me que estejas a meu lado / Enquanto o medo vai dançando à nossa volta”.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …