Avançar para o conteúdo principal

The Horrors em Modo Pop



Os britânicos The Horrors formaram-se em 2005, tendo até à data dois álbuns lançados. São uma das promessas da música indie, a fazer lembrar a sonoridade do Pós-Punk. Actuaram no Coliseu de Lisboa o ano passado, e são um dos mais recentes fenómenos de culto em Portugal.

Por Carmen Gonçalves 


O primeiro álbum “Strange House” foi editado em 2007 e acarretava uma grande carga musical do punk e do rock de garagem. O sucesso foi imediato e inesperado, tendo entrado directamente para o 37º lugar do top de vendas no Reino Unido. Este disco reúne alguns temas anteriormente editados em single, caso é de “Sheena is a Parasite” e de “Little Victories”. O som das guitarras sobrepõe-se a quase tudo, excepto à voz, notando-se uma grande influência do punk das décadas de 70 e 80.







A apresentação do álbum ao vivo passou por actuações em diversos festivais à escala mundial, incluindo o Festival de Glastonbury, o Summer Sonic Festival no Japão e o festival Splendour in the Grass, na Austrália.


No final de 2007 a banda anunciou a edição do seu segundo álbum, desta feita, produzido por Craig Silvey e por Geoff Barrow dos Portishead. A gravação teve lugar no Verão de 2008, mas só chegou às lojas a 4 de Maio de 2009. “Primary Colours” contou com o single de apresentação “Sea Within a Sea” e ficou disponível para download no site da banda a 17 de Março. O vídeo do tema ficou a cargo de Douglas Hart (ex baixista dos Jesus and Mary Chain).




No entanto, umas semanas antes de lançamento oficial, o álbum foi difundido na internet, contra a vontade da banda. Ainda assim, chegou ao 25º quinto lugar do top de vendas no Reino Unido, e mais tarde teve uma nomeação para o Mercury Prize. Nesse mesmo ano a revista NME colocou-o no primeiro lugar como o melhor álbum de 2009.


“Primary Colours” teve um êxito notável junto do público e dos críticos, confirmando o talento da banda. Embora o álbum seja menos “cru” que o anterior, atenuando um pouco mais as guitarras, os fãs renderam-se e tornaram-se num dos mais recentes fenómenos musicais.


Depois de dois anos em actuações ao vivo, no início de 2011, os membros da banda anunciaram que têm dez músicas prontas para integrarem o terceiro registo de originais. Ficamos à espera.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …