Avançar para o conteúdo principal

The Kinks em Modo Classic Rock

 Link da imagem

O que faria se, depois de uma noite de copos, em que depois de seduzido por uma exótica mulher, e de aceitar acompanhá-la a casa após uma noite envolvente…. a mesma lhe revelasse que era, afinal, um homem? Em Inglaterra, os The Kinks fizeram de “Lola” um verdadeiro Classic Rock... para recordar.

Por Maria Coutinho


Há quem diga que a letra é autobiográfica , e que Ray Davies teria mesmo tido um “affaire” com uma travesti famosa, Candy Darling, a quem Lou Reed também se referiu num verso de “Walk on the Wild Side” . Na biografia oficial da banda, o vocalista desmente esta versão, revelando que o caso é verídico, sim, mas foi protagonizado por Robert Wace, então empresário da banda.


Como é fácil imaginar , o tema deu que falar, e chegou mesmo a ser proibido de rodar na British Broadcasting Company (BBC), forçando Ray Davies a viajar de propósito da América para Inglaterra com o objectivo de gravar uma nova versão que a estação aprovasse. O que surpreende, num país como a Inglaterra dos anos 70, onde tantas músicas foram banidas da BBC por terem conteúdo sexual mais ou menos explícito, é que a proibição nada teve a ver com o tema do transformismo. O problema era, afinal, uma referência (considerada publicitária) à marca Coca-Cola, que acabou substituída pelas palavras “cherry cola”.

Apesar deste contratempo, e das questões eventualmente levantadas pelos irmãos Davies quanto à sua autoria, a música teve um percurso brilhante. Os The Kinks não tinham um grande êxito comercial há alguns anos quando o tema “Lola” foi editado em 1970, e a música foi escrita para devolver o nome da banda às tabelas de vendas e às playlists radiofónicas.

Uma das sequências de acordes mais conhecidas da história do rock, a batida bem cadenciada e a letra com um tema polémico foram os ingredientes para esta receita de sucesso. O tema alcançou lugares cimeiros nas tabelas de vendas de ambos os lados do Atlântico e colocou definitivamente o nome da banda entre os Clássicos do Rock que nunca serão esquecidos pelo público.

 Na conservadora Inglaterra dos anos 70, “Lola” teve sorte e (ainda bem!) entrou para a história da música. Acabou com o seu nome imortalizado na história do Rock, num tema que acaba com estas palavras, num exercício típico do que é o famoso humor inglês:

“Well I'm not the world's most masculine man
But I know what I am and I'm glad that I'm a man
And so is Lola”

(Posso não ser o homem mais másculo do mundo
Mas sei o que sou e sou feliz por ser homem
E também o é a Lola)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …