Avançar para o conteúdo principal

Radar Kadafi no Luso Vintage


 Link da imagem


A música pop portuguesa dos anos 80 não teria sido a mesma sem os Radar Kadafi, grupo que nasceu em 1984. A aventura, iniciada num café lisboeta, durou pouco, mas marcou com “40 º à sombra” , literalmente.

Por Júlia Rocha


Foram desde sempre um grupo marcadamente pop.  E foi assim que construíram o seu legado. A constituição original incluía Luís Gravatom (vozes), Tiago Faden (baixo), Fernando Pereira (guitarra), Luís Sampaio (teclados) e José Bruno (saxofone). O nome retrata a história da altura: o líder líbio Muammar Kadafi, que fazia as notícias na altura.

Logo no ano de fundação, o grupo participou no concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vous, onde se classificou em terceiro lugar. Levaram uma música italiana para a competição: “La Maquina”. Aqui ficou de imediato bem patente uma das mais imponentes características dos Radar Kadafi: as suas performances ao vivo.  A grande importância conferida aos elementos cénicos tornava os espectáculos do grupo verdadeiramente cativantes.De facto nas actuações não faltavam adereços, suportes visuais, bailarinos. 

Em 1987 assinam o primeiro contrato discográfico com a Polygram. “Prima Donna” tinha um lado exclusivamente português intitulado Lusitano e outro com músicas em espanhol, italiano e francês, intitulado Imigrante.

No entanto , a vida dos Radar Kadafi foi curta. Como acontece com muitas bandas, a razão para a separação residiu nos problemas que a fama trouxe, as mudanças de personalidade e consequentes zangas.
O último concerto decorreu em Novembro de 1987, e assim se disse adeus às letras melancólicas e apaixonadas.

Quem não se lembra do famoso tema “40º à Sombra”? Até as gerações mais novas… Além deste tema mediático, o LP incluía também “Maria” e “Eu Sei Que Não Sou Sincero”. O lado Imigrante incluía “La Calle” e “Brigitte Bardot”, por exemplo. 

http://www.myspace.com/radarkadafi 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …