Avançar para o conteúdo principal

Da weasel no Luso Vintage

 Link da imagem

Recentemente fomos confrontados com a notícia do fim dos Da Weasel. Mas o grupo da doninha foi um dos projectos com maior dimensão no panorama recente da indústria musical portuguesa. Hoje no Luso Vintage revisitamos o percurso dos homens de re-tratamento.

Por Júlia Rocha 

Vencedores de dois Best Portuguese Acts (2004 e 2007) nos MTV Europe Awards, os Da Weasel surgiram em 1993, numa onda experimentalista, com Pacman, Armando Teixeira, Jay Jay Neige e Yen Sung. Em 1994, o grupo lança o primeiro EP “More Then 30 Motherf****s”. Nesse EP estava presente um dos  temas mais icónicos da banda: “God Bless Johnny”. 



O primeiro álbum, em formato CD,  surgiu cerca de um ano depois. “Dou-lhe Com A Alma”,significou a transição quase total para a língua portuguesa, que predominou nos trabalhos futuros dos Da Weasel. O grupo saiu-se muito bem ao fundir hip hop com rock, trazendo novas sonoridades ao panorama musical português. Antes do álbum de 1997, o grupo sofreu algumas transformações com a saída de Yen Sung e entrada de Virgul, membro que se manteve até à recente dissolução.

O álbum “3º  Capítulo” consagra Pacman como um dos grandes letristas portugueses. Um disco duro, de carácter bastante mais forte. Nos anos seguintes, os Da Weasel fizeram algumas participações em tributos a outros artistas portugueses como os Xutos e Pontapés, ou Rui Veloso.  


Em Setembro de 1999 é editado o álbum “Iniciação A Uma Vida Banal - O Manual”, onde se destaca o tema “Outro Nível”. Este registo discográfico traduz-se numa digressão bastante memorável, com uma grande, grande noite: a primeira parte do concerto dos Red Hot Chili Peppers (Novembro, 1999), realizado no Pavilhão Atlântico. 

2004 foi um dos anos mais espectaculares para o grupo: DJ Glue junta-se ao que agora de torna num sexteto; e o álbum “Re-definições” está no forno. Trata-se do trabalho mais intimista do grupo da doninha. Foi masterizado em Londres e contou com participações especiais, como por exemplo, a de Manel Cruz. Um ciclo de amadurecimento está em curso.



“Re-Definições” recebe o galardão de quadrupla platina por mais de oitenta mil unidades vendidas.  Os refrões são entoados por todo o país, destacando-se as lotações esgotadas dos concertos dos Coliseus (Lisboa e Porto) e Olympia de Paris. Quem é que ainda não sabe a letra de “Re-Tratamento”? 



Com a ajuda do maestro Rui Massena ainda fizeram a fusão do hip hop com a música clássica. Em Novembro de 2008 lançam um DVD do concerto do Pavilhão Atlântico de 2007. Depois de mais um álbum de originais “Amor, Escárnio e Maldizer”, o grupo alcançou o topo das tabelas com “Dialectos da Ternura”.






Em Setembro de 2009, os Da Weasel anunciaram uma pausa de um ano, com a promessa de regressar com um novo disco de originais e mais actuações. Contudo, em Dezembro anunciaram o fim da banda na sua página oficial.

A música garante ao grupo um lugar na história de bandas em língua de Camões marcantes.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …