Avançar para o conteúdo principal

The Smiths no Destaque do Mês

Queridos anos 80



Em 1982, o rock ficava para sempre marcado por um dos seus grupos mais emblemáticos: os The Smiths. A banda com casa em Manchester marcou a história da música. Andy Rourke, Morrissey, Johnny Marr e Mike Joyce formaram o grupo que durou cerca de  cinco anos. Cinco anos que chegaram para fazer história no rock alternativo e no indie pop. Agora, o lendário Morrissey volta com dois singles fresquinhos. E nós refrescamos a vossa memória. 

Por Júlia Rocha 

As composições da banda contam com a parceria de Morrissey e Johnny Marr, quase uns John Lennon/Paul McCartney dos anos 80. O grupo britânico foi considerado por críticos musicais como a mais importante banda de rock alternativo a emergir na cena musical britânica, principalmente de música independente. 

Fora do Reino Unido o sucesso comercial foi algo curto e limitado . De referir que enquanto estiveram juntos tiveram muito menos sucesso do que tiveram quando se separaram. Os The Smiths tiveram várias ofertas para se reunirem, mas não aceitaram nenhuma até hoje.

Steven Patrick Morrissey foi o grande mentor. Juntamente com John Maher, guitarrista e compositor tentava inspirar-se nos seus gostos: os New York Dolls e os The Nosebleeds, uma banda de punk rock. 

Mike Joyce juntou-se à banda depois da gravação de algumas demos, no Outono de 82. Depois foi a vez de Dale Hibbert, baixista se juntar à banda. Como este tinha trabalho como técnico de gravação, facilitou a vida ao recém-nascido grupo. Mas Dale Hibbert não era exactamente o que estava idealizado para a banda e foi substituído por Andy Rourke. 
Smith é um dos apelidos mais vulgares da língua inglesa, e era esse objectivo que o grupo queria destacar. Numa época em bandas se chamavam Spandau Ballet os Orchestral Maneuver in the Dark, os The Smiths distinguiam-se pela “modéstia” do nome. Morrissey justificou a escolha do nome como sendo uma premissa para os “tipos normais do mundo mostrarem quem são”. Hand in Glove foi o primeiro single, em 1983, depois de assinarem com a Rough Trade Records. Depois vieram This Charming Man e What Difference Does It Make?. 



O álbum homónimo e primeiro, foi lançado no ano seguinte. O primeiro álbum dos rapazes de Manchester chegou ao número 2 da tabela de vendas britânica. Os The Smiths continuaram a lançar singles que não pertenciam a qualquer álbum: exemplo disso é Heaven Knows I’m Miserable Now e How Soon is Now?. A banda convidou uma banda dos anos 60, os Sandie Shaw , para cantar alguns dos seus temas como Hand In Glove. Com Heaven Knows I’m Miserable Now, ficou marcado o início da longa relação de trabalho com Stephen Street, produtor. Depois de mais singles, o segundo álbum, Meat is Murder saiu em 1985, com características mais politicamente fortes.  The Headmaster Ritual e Nowhere Fast também destacavam questões de interesse social.


A musicalidade também sofreu alterações, começaram a surgir misturas de estilos e os solos de Rourke eram bastante aclamados. Destaco que Meat is Murder foi o único álbum da banda a atingir o número 1 nos tops britânicos. Como sabemos Steven Patrick Morrissey é um músico algo controverso, situação que era transmitida para a música. Tinha como alvos das suas críticas a monarquia e governo britânicos (de Margaret Thatcher) e até o projecto de solidariedade Band Aid. Para ele aquela música era tortura… A tour pelo Reino Unido e pelos Estados Unidos decorreu durante as gravações de The Queen Is Dead. O álbum foi lançado em Junho de 86, com o single Bigmouth Strikes Again,  marcado pela guitarra de Marr. The Queen Is Dead chegou ao número dois das tabelas birtânicas e é considerado como uma mistura e humor negro e mordaz, com temas como Never Had No One Ever, Frankly, Mr Shanky e There Is a Light That Never Goes Out. 


Contudo, o grupo enfrentava alguns problemas: disputas legais com a editora Rough Trade que adiou o lançamento do álbum, e problemas com Johnny Marr. Marr chegou a admitir que na altura, esta doente, o álcool e o cansaço do fim da tour e das gravações estava a levar a melhor. 

Marr não era o único com vícios perigosos na banda. Andy Rourke foi expulso dos Smiths por causa da heroína, de uma forma bastante original: alegadamente, Morrisssey deixou-lhe um post-it no pára-brisas do carro dizendo: “Andy – you have left The Smiths. Goodbye and good luck, Morrissey” (Andy estás fora dos Smiths, Adeus e Boa sorte, Morissey)

Craig Gannon substituiu o malogrado Rourke, que acabou por ser reintegrado no grupo passado algum tempo. Mas Gannon permaneceu na banda e contribuiu para singles como Panic e Ask. Depois do fim da tour de 1986, Gannon saiu dos The Smiths. Cada vez mais frustrados com a editora Rough Trade, a banda assinou com a EMI. 
No início de 1987, era lançado Shoplifters of The World Unite, seguido por uma compilação The World Won’t Listen. Este título era fruto da frustração de Morrissey pela falta de reconhecimento mundial e por a banda ainda se encontrar no circuito alternativo.O álbum chegou ao número dois das tabelas e aquele que viria a ser o último single dos The Smiths atingiu óptimos números e boa recepção.

Mas as tensões continuavam: o alcoolismo de Marr levou-o a fazer uma pausa em Junho de 87. No mês seguinte, sentindo-se incompreendido, Johnny deixou os The Smiths, quando leu um artigo “Smiths to Split”, pensando que era algo propositado para provocar a sua saída. Na verdade não era, tinha sido escrito baseado em rumores da alegada tensão entre Morrissey e Marr, que era de facto verdadeira. Negando estas razões, Marr justificou a saída da banda com o desejo de expandir a sua carreira musical. Morrissey e Marr atribuem este resultado final à falta de acompanhamento de um manager e ao excessivo stress.
Com o guitarrista Ivor Perry, a banda gravou algum novo material que nunca foi terminado. O ambiente não era o melhor. Perry disse que eles só procuravam um novo Marr. 

Quando o último álbum Strangeways, Here We Come foi lançado, os The Smiths estavam terminados. A relação entre Morrissey e Marr, mesmo depois da saída deste último desgastou a banda e o breaking point foi atingido. Este último álbum foi o mais bem sucedido nos Estados Unidos de toda a sua carreira. Depois do término dos The Smiths, Morrissey perseguiu uma carreira a solo, que continua ainda hoje com o relançamento (hoje, dia 18) de dois singles do álbum Viva Hate de 1988 e de uma compilação: The Very Best of Morrissey.

Johnny Marr também regressou à cena musical em 1989 com os Electronic, chegando a colaborar também com outros artistas e a criar uma banda sua: Johnny Marr and the Healers. Andy Rourke e Mike Joyce continuaram a trabalhar juntos. 
Apesar desta curta e atribulada história, os The Smiths foram e ainda são, uma das melhores bandas de sempre.

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …