Avançar para o conteúdo principal

Charlie Chaplin na Máquina do Tempo



 Por Rato Cinéfilo 

Nascido a 16 de Abril de 1889, em Londres, Inglaterra
Falecido a 25 de Dezembro de 1977, em Vevey, Suiça


"I remain just one thing, and one thing only, and that is a clown. 
It places me on a far higher plane than any politician

Charles Spencer Chaplin morreu num dia de Natal. Um dia como o de ontem, mas há 33 anos atrás, em 1977. Quase por força dum destino implacável, neste dia em que quase todos os homens suavizam um pouco a sua existência, desapareceu também aquele que, para os da minha geração (e outras gerações mais antigas) personificava de certa forma os nossos tempos de crianças sonhadoras. Ainda hoje me lembro daquelas sessões de filmes de 8 mm que costumavam acontecer na minha meninice, e nas quais o meu pai projectava na parede (e mais tarde num pequeno écran cuja montagem me estava invariavelmente atribuída) os últimos filmes de família recebidos em pequenas bobinas de caixa amarela, com cerca de 3 minutos cada, e que ele tinha a paciência enorme de colar uns aos outros. Mas nenhuma dessas sessões acabava sem que fossem passados alguns pequenos filmes do Charlot, a figurinha do vagabundo que entrou no meu imaginário infantil, muito antes de que me apercebesse do significado dessa arte chamada Cinema.

Recebido por chefes de estado e cumprimentado por reis, Chaplin foi um dos mais geniais criadores da primeira metade do século XX. Para exprimir o seu pensamento, para dar vida à personagem que lhe permitiu alcançar a glória universal, Chaplin serviu-se do cinema, isto é, de uma forma de expressão que practicamente não existia antes dele. Pegou naquelas maquinetas, ainda rudimentares, e descobriu-lhes o verdadeiro uso, que em poucos anos levou ao mais alto grau de perfeição. O filme mudo parece ser hoje em dia, e cada vez mais, um aspecto incompleto do cinema; mas nele reside, contudo, a essência da arte cinematográfica. As invenções técnicas que lhe foram sendo trazidas ao longo dos anos fizeram, em geral, desviar esta arte do seu caminho em vez de enriquecê-la. O suporte de uma obra admirável que Chaplin construíu durante dezenas de anos desmoronou-se, deixou de existir – é, agora, uma forma caduca, que tem apenas um encanto arcaico e um valor de museu.
Mais do que a sua pessoa, é a presença dessa humilde, solitária e apaixonada figurinha de vagabundo clownesco que ficará eternamente gravada na memória do mundo. É extremamente difícil falar do que se sente parte integrante de nós próprios. Charlot simbolizava o mito, ou melhor, a sua expressão viva. Por causa da sua forma tão peculiar de encarar a vida, de fazer sobressair a injustiça, a dor e a alegria, vimo-nos obrigados a herdar pedaços desse comportamento simples e desinteressado dos oportunismos mundanos. Também nós desejamos intimamente essa visão chaplinesca do universo. E o espaço ilusório que ele representava, e que no fundo constituía o verdadeiro segredo para a conquista dos corações do mundo, continua ainda a existir, apesar de todas as transformações ocorridas nestas últimas décadas. E pessoalmente ficaria muito contente se soubesse que a sua obra poderá ainda vir a cativar muitas outras gerações.

Charlot só teria sido possível na América. E, no entanto, Chaplin manteve-se sempre europeu: ele é verdadeiramente inglês pelas raízes da sua arte pantomímica e pela sua experiência de criança esfomeada nas rua da Londres vitoriana . Da América, aproveitará a sua ingenuidade, a sua pureza esquemática, mas não só não se alienou à cegueira da civilização Yankee como manteve a nobreza do seu coração e a acutilância da sua inteligência ligadas às lembranças da sua Europa.


Chaplin teve sérios problemas com as autoridades americanas, que não lhe perdoavam a independência e a liberdade de pensamento. Isso hoje poderá parecer um contrasenso mas convém recordar que, na América, os  anos 30 e 40 não foram propriamente tempos de grandes tolerâncias. Depois de vários escândalos sentimentais em que se viu envolvido, a sua obra-prima de 1936, “Tempos Modernos”, é acolhida com frieza pela crítica que o acusa de fazer propaganda comunista. A partir daí inicia-se uma autêntica perseguição ao cineasta. Em Outubro de 1940, aquando da sua estreia em Nova Iorque, “O Grande Ditador” é uma vez mais ostracizado, desta vez também pelo público, que não se quer ver envolvido na Guerra Mundial em curso na Europa. E o hoje célebre discurso que encerra o filme é mal compreendido tanto pela esquerda, que o acha ingénuo, como pela direita, que o vê apenas como mais uma provocação “comunista”.


Em 1947 um deputado da Câmara de Representantes chega mesmo a pedir a sua expulsão dos E.U.A., ao mesmo tempo que “Monsieur Verdoux” (mais uma obra de puro génio) é proibido em vários estados, depois de ter sido apupado na estreia, em Nova Iorque. Um representante dos Antigos Combatentes Católicos acusa Chaplin de manchar a imagem da América e sucedem-se as convocações para prestar declarações ao Comité McCarthysta de Actividades Anti-americanas. Chaplin recusa comparecer, declarando à imprensa ser apenas um pacifista, mas as pressões constantes levam-no a vender as suas acções da United Artists. Dois anos depois Chaplin começa a trabalhar num novo filme, “Luzes da Ribalta”, cujas filmagens se concluem no início de 1952. Em Setembro a família embarca para Londres e, ainda durante a viagem, é-lhes comunicado que o Ministro da Justiça, James MacGranery, anunciou a abertura de uma averiguação sobre Chaplin, pelas suas “simpatias comunistas”, negando-lhe o visto de retorno para assim o impedir de voltar a pisar solo americano. 

“Luzes da Ribalta” estreia-se nesse mesmo ano em Inglaterra e a Legião norte-americana proíbe a sua exibição em alguns estados. Oona O’Neill (a quarta esposa de Chaplin, filha do famoso dramaturgo Eugene O’Neill) liquida os bens do marido nos E.U.A., e renuncia ela própria à nacionalidade americana. A família fixa-se então na Suíça, numa propriedade situada em Corsier-sur-Vevey. Em 1954 Chaplin recebe o Prémio Internacional da Paz e três anos depois estreia “Um Rei em Nova Iorque” . Na América a campanha contra o cineasta não pára de crescer, chegando ao ponto do seu nome ser retirado do Passeio da Fama de Hollywood. Em Setembro de 1964 é publicada a sua auto-biografia “A História da Minha Vida” e no início de 1967 sai aquele que seria o seu derradeiro filme, “A Condessa de Hong Kong”, com Marlon Brando e Sophia Loren nos principais protagonistas. Finalmente, em 1972, a América resolve fazer as pazes com o velho cineasta e, muito diplomaticamente (ou muito cinicamente, conforme o ponto de vista), confere-lhe um Óscar Especial, ao mesmo tempo que repõe o seu nome no Passeio da Fama. Depois de vinte anos de exílio, Chaplin chega a Nova Iorque a 2 de Abril e a 16 de Abril recebe o Prémio em Hollywood. A 4 de Março de 1975 é condecorado em Londres pela Rainha Isabel II e, até ao fim da sua vida, refugia-se no seu solar na Suiça. Tinha 88 anos quando adormeceu naquela noite de Natal, para nunca mais acordar. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …