Avançar para o conteúdo principal

Dr.Strangelove na Máquina do Tempo





Por Luís Vendeirinho
Originalmente publicado a 21 de Outubro de 2010

Inoculem-me o antídoto para a paz. Esta vida medíocre e morna em que nada significa a minha inocência, atado aos meus desvarios sem consequência na perpetuação da superioridade calada e do engenho que transpira em mim sem adoradores, esta vida nada significa para além da coragem de exterminar o que é morto por condição. 

Ponham termo ao sofrimento que é só meu enquanto reino sem glória nem nome, e com ele ao mundo de que sou cativo e onde odeio os grilhões de uma bondade falsa. Não tenho mão para mudar o rumo de uma história viciada em sem-sentidos, esse gesto em que vingo a minha humilhação em nome de toda a humanidade humilhada, mas deixo ao arbítrio alucinado em que se consome a dor dos homens a conquista dos espaços sem espaço e dos tempos sem tempo. 

Se reescrevermos a tragédia, que seja com um laivo de honra, responsáveis com nome de génio e alma de loucura, sem barreiras ante a maior força, misteriosa e degredada, que nos ponha um fim às consumições do espírito. 

Não represento no palco como bobo de corte sem direitos sobre o meu destino, reino na minha solidão ao lado das multidões, todos presos ao fio da vida que nos estrangula e move sem lugar para a vontade ou lucidez para o arrependimento. 

Em nome da comédia rimo-nos dos papéis que nos destina quem mais pode, quem mais manda, sem rosto nem culpa, como os heróis que se servem das angústias e dos terrores para salvarem a reputação de redentores.

Eu quero só para mim toda a responsabilidade da vida, como uma bola de fogo em que os meus erros ardam para bem da regeneração da paz. Inoculem-me o antídoto para a paz, que a vida é um enorme bocejo e nós adormecidos a crer que de manhã todos os males do mundo se vão, ao sabor das sentenças que se consumam sobre nós, espantalhos que assustamos o medo e nos rimos sob a mentira, inanimados e deitados à sorte dos ventos.
Confira o trailer : 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …