Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"

LInk da imagem
De acto de consumo generalizado, a compra de um Vinil ou CD, tem vindo cada vez mais a tornar-se num acto de culto praticado por uma espécie em vias de extinção.


O que está  a dar é ver a banda a tocar…

O mercado discográfico foi durante décadas suportado pela venda de álbuns em suporte físico, primeiro o Vinil, depois o CD, sem esquecer as Cassetes. Apesar da música ao vivo ser uma realidade mais antiga até que a própria música em suporte físico, nunca como hoje adquiriu tanta importância. A quantidade de pessoas dispostas a dar dinheiro por um bilhete de concerto já é muito superior àquela que prefere comprar um CD, ou mesmo fazer um download legal através da internet.

Por Bruno Vieira

Esta tendência que tem vindo a acentuar-se na última década, foi numa primeira fase motivada pela generalização da informática doméstica ao longo dos Anos 90, que facilmente permitiu qualquer pessoa fazer a sua cópia do disco original, e agravada na década seguinte quando a internet passou a ser uma realidade ao alcance de todos. Esta última terá sido a derradeira machadada final num mercado discográfico não isento de culpas por reagir tarde demais, ao contrário do que se verificou noutros países como o Reino Unido, onde para além do maior poder de compra, continua-se a consumir música a preços acessíveis.

Em Portugal não se tratou apenas do problema das pessoas não quererem comprar música, antes da reacção das mesmas ao seu elevado preço. É certo que por cá também se tem verificado ultimamente uma redução do preço dos CDs, mas peca por ser pouco abrangente e tardia. Já há pouco ou nada a fazer e dificilmente a crise do mercado discográfico será invertida. Nem mesmo os downloads legais serão suficientes para remediar o problema, a partir do momento em que se assumiu que a música é para piratear.

Todos concordamos então que a partir de uma necessidade económica tenha emergido toda uma nova geração avessa à compra de qualquer produto musical em suporte físico. Os mesmos que se recusam a dar 15€ por um CD, pagam em média mais para assistir a um concerto, fora outros extras. O que tem a música ao vivo para oferecer a mais?

Todas as crises geram oportunidades e o que se perde por um lado, ganha-se por outro e a música não é excepção, sem esquecer toda a máquina que alimenta, seja publicidade, patrocínios, merchandising, etc. O que estamos a assistir é o mercado a adaptar-se a um novo paradigma, tendência esta que terá começado em meados dos Anos 90 com a massificação da música ao vivo em Portugal.

A tendência dos últimos anos tem valorizado mais a “experiência”, numa atitude proactiva de busca de novas sensações, do que a passividade associada a rituais mais tradicionais, numa analogia directa entre assistirmos a um concerto ao vivo ou escutarmos música no conforto da nossa casa.

Assistir a um concerto tem de ser feito “in loco” e, ao contrário de um álbum, não é reproduzível. Se para uns a experiência maior é puramente musical, para outros será o ambiente, o convívio, já para não falar doutros excessos que por momentos levam muitos à procura de alguns momentos de escape, como fuga à rotina do dia-a-dia. Cada qual com as suas motivações, mas todos a contribuir para o mesmo, ou seja, a sobrevivência de uma indústria, mas sobretudo , dos seus protagonistas.

Outrora a viverem essencialmente das receitas da venda dos seus discos, os músicos de hoje olham para os concertos não só como forma de apresentar a sua arte, mas também como garante de sobrevivência. De acto de consumo generalizado, a compra de um Vinil ou CD, tem vindo cada vez mais a tornar-se num acto de culto praticado por uma espécie em vias de extinção. E quem não estiver disposto a pertencer a este clube jurássico, pode sempre dar o seu contributo doutra forma, ou seja, desfrutando da experiência única que só a música ao vivo proporciona. O que está a dar é ver a banda a tocar…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …