Avançar para o conteúdo principal

Madredeus no Luso Vintage


São o único super-grupo da música portuguesa que ousou, há 25 anos atrás, apostar nas raízes da música tradicional portuguesa, quando o signo da modernidade ditava as regras. Apesar de muitas rupturas e de uma sucessão de membros integrantes, o sonho não morreu e o projecto Madredeus continuou activo até 2009. Segue a estória do grupo português,  com uma das mais sólidas carreiras internacionais de sempre.

Por Susana Terra 

Estávamos em 1985 quando Pedro Ayres Magalhães (Heróis do Mar) e Rodrigo Leão (Sétima legião) iniciaram uma série de ensaios conjuntos. A química entre ambos era notória, bem como o desejo de criar temas acústicos que incorporassem não só a música tradicional portuguesa, como ainda a música de pendor mais erudito, a música popular ou o “espírito musical” do fado. Resultado: world music de alma lusa. A Ayres (guitarra clássica) e Leão (teclados) juntam-se Francisco Ribeiro (violoncelo), Gabriel Gomes (acordeão) e Teresa Salgueiro (voz). 

O primeiro álbum surge em 1987, quando o grupo ainda sem nome gravou um LP duplo que baptizou de “Os Dias de Madredeus”. O carácter inovador de temas como “A Vaca de Fogo”, “A Sombra”, “A Estrada do Monte” ou “As Montanhas” catapultou os agora Madredeus para o sucesso e popularidade. Começa então a ser trilhada a carreira dos Madredeus com vários espectáculos ao vivo em Portugal e apresentações em países como a Itália e a Coreia do Norte.
 
O álbum “Existir”  chega-nos em 1990 e constitui um somatório do sucesso de vendas do grupo, atingindo a platina à velocidade da luz. “Existir”  traz-nos o single “O Pastor” e catapultou definitivamente os Madredeus para as rotas internacionais: da exposição Europália na Bélgica à digressão por Portugal (resultante no disco ao vivo “Lisboa”), pela Europa e mesmo extremo-oriente. Os Madredeus são os porta-estandartes da língua e cultura nacional. 

“Espírito da Paz”  é lançado em 1994 e vem consolidar a carreira dos Madredeus O disco foi gravado em Inglaterra, ao mesmo tempo que o grupo trabalhou na banda-sonora do filme “Lisbon Story” de Wim Wenders, encomendado para a efeméride Lisboa 94 – Capital Europeia da Cultura. Entretanto Rodrigo Leão deixa os Madredeus sendo substituído por Carlos Maria Trindade e anteriormente, já Pedro Ayres havia convidado Luís Peixoto para ser o guitarrista ao vivo. Dá-se nova digressão internacional, desta vez pelo Brasil e Estados Unidos da América.

O ano de 1997 é  marcado por novas saídas – Gabriel Gomes e Francisco Ribeiro. Entra Fernando Júdice (baixo acústico) e é gravado o álbum “Paraíso” em Itália, sendo este o primeiro disco dos Madredeus a ter comercialização internacional e, nos anos seguintes, abraçam as tendências electrónicas ao remisturar temas.

Em 2007 ocorre o ano sabático para o grupo, com os seus membros imersos em projectos a solo e dá-se também a ruptura final – Teresa Salgueiro abandona os Madredeus. A perda da emblemática voz, tão característica do grupo , foi um rude golpe para os membros que restaram. Ayres e Trindade encontraram novo rumo: a criação da ensemble , “A Banda Cósmica” , que perpetuou as sonoridades dos Madredeus até 2009.

Embora algo esquecidos, os Madredeus são um dos mais sonantes nomes da música portuguesa. Quando poucos sonhariam, os Madredeus ousaram e apostaram numa sonoridade muito própria, inovadora e ao mesmo tempo tradicional. A relembrar…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …