Avançar para o conteúdo principal

Citizen Kane na Máquina do Tempo





Quando em 1941 Orson Welles divulgou a sua primeira longa-metragem baseada na subida e queda de um magnata da comunicação, ninguém sabia que estava prestes a ser revelada uma das maiores obras na história do Cinema. Uma obra intemporal aqui na Máquina do Tempo.

 Por Miguel Ribeiro 


Mas porque será então  Citizen Kane tão citado como um dos melhores filmes de sempre? Melhor ainda, é considerado, quase unanimemente, como o melhor filme de sempre e senão bastasse isto, é também visto por muitos estudiosos e críticos como o filme que legitimou o Cinema como forma de arte. Isto não quer por si dizer que antes de Citizen Kane não haviam filmes fascinantes e importantes para o desenvolvimento da arte em si, como o Couraçado Potemkin de Eisenstein, M e Metrópolis de Fritz Lang ou O Homem da Câmara de Filmar de Dziga Vertov, mas a questão da legitimização é importante, pois é preciso referir que a linguagem do cinema ainda estava a crescer e foi com este filme que atingiu a “adolescência”.

Primeiro, temos a intenção de toda a produção chefiada por Orson Welles, que quis fazer um filme inovador, usando técnicas já conhecidas, mas de uma forma totalmente diferente. No campo narrativo, temos a demanda de um repórter que entrevista pessoas-chave na vida de Kane e que por si só, activa flashbacks, tudo para tentar construir o puzzle que era Charles Kane, por causa de uma palavra que ele murmurou antes de morrer: “Rosebud”. Se não bastasse isto, o tom da estória é totalmente negro e deprimente, principalmente pela forma como os últimos 30 minutos se desenrolam, o que era algo nunca visto até à altura. Depois, outra inovação neste filme, é ao invés de usarem uma montagem cronológica dos eventos, fez-se uma espécie de montagem fagmentada em que o espectador através dos momentos iniciais do filme (onde se resume os feitos de Kane através de um boletim notícioso como se fazia na altura) e dos testemunhos dessas personagens, vai construindo o perfil psicológico desta kane, alguem estranho e diferente e ao mesmo tempo, quase incompreensível. 

Segundo, a nível da fotografia e do som, ao reunir Orson Welles, o rapaz-maravilha de 23 anos que era estrela da rádio e grande encenador de teatro com o director de fotografia Gregg Toland, tivemos a apresentação de várias técnicas que ficariam para a história, como o Foco Profundo da câmara, onde pela primeira vez, vemos lentes que conseguem focar tudo o que está na imagem, permitindo enquadramentos mais trabalhados de forma a realçar determinadas personagens, ou o uso de contra-picados para mostrar o espaço ou enaltecer certas personagens. Orson Welles com a sua experiência a fazer programas de rádio, incluiu certas técnicas de montagem sonora que depois criaram novos paradigmas na montagem de filmes, como o uso de determinados sons-chave para na montagem fazer transições de tempo ou de espaço, unindo uma cena a outra de uma forma suave, quando sem essa técnica nunca passariam de cenas diferentes sem qualquer nexo.

Existem muitas mais inovações de índole técnica que foram criadas ou melhoradas por Orson Welles e usadas em Citizen Kane, mas talvez a mais importante terá sido a forma como ele conseguiu reunir todas estas competências, usando também uma equipa de actores que antes só tinha feito teatro e, com total controlo sobre a sua obra, criando algo que envelheceu bem e que essencialmente abriu as portas para um novo tipo de cinema, que realizadores como Truffaut e Godard viriam a falar (e fazer).

O melhor filme de sempre? Tal obra não existe, como também não existe a melhor pintura de sempre ou a melhor música de sempre. Mas que Citizen Kane é uma das obras supremas do Cinema, tanto a nível técnico como a nível narrativo, isso nem está em questão. Citizen Kane é aqui referido, justamente por essa razão. O teste do tempo foi ultrapassado.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sitiados no Luso Vintage

Link da imagem


Sob a égide de João Aguardela, um talento musical falecido em 2009, nasceu nos finais dos anos 80 uma banda que trouxe para o panorama do rock português a música tradicional. Os Sitiados marcaram (e ainda conquistam) gerações, com novos sons e sobretudo, muito talento e atitude.



Por Gabriela Chagas


O tema “Esta vida de marinheiro” (vendeu mais de 40 mil cópias) é um dos exemplos desse novo som da década. Desapareceram em 2000 , mas deixaram-nos a sua herança. Sitiados, a banda hoje em destaque no Lusovintage do Som à Letra foi beber à tendência sonora dos irlandeses The Pogues.


José Resende (Guitarra), João Aguardela (Voz) e Mário Miranda (Baixo), todos eles ex-Meteoros, juntaram-se assim ao baterista Fernando Fonseca.

À semelhança de outras bandas emblemáticas dos anos 80, os Sitiados também marcaram presença no Rock Rendez Vous. Dinamizados por João Aguardela, concorrem ao 5º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vouz e ficam em 2º lugar, atrás da banda do seu primo Ar…

Foto da Semana

Iggy Pop Foto:Annie Leibovitz

Cesário Verde

 Link da imagem
Poeta pintor, poeta repórter

Cesário Verde é um poeta do século XIX que se enquadra na estética realista, ainda que nas suas produções poéticas esteja presente a influência de outras correntes como o Parnasianismo, o Impressionismo e o Surrealismo. Para o autor, o mundo externo conta de modo pimacial , e é através da "descrição" deste mundo (mutável e miscelâneo) que lhe podemos conferir a designação do poeta repórter e poeta pintor.

Por Irene Leite 


Recorrendo ao poema ,  "Num Bairro Moderno" , podemos confirmar esse gosto pela descrição: "Dez horas da manhã; uma casa apalaçada ; pelos jardins estancam-se as nascentes". Ao descrever e relatar esta paisagem , o autor recorre à técnica cinematográfica do corte e da montagem de acontecimentos justapostos, ressaltando-se o seu carácter deambulatório , o que nos leva à conclusão de que Cesário Verde é um poeta repórter. 


No entanto, a sua poesia caracteriza-se também pela existência de uma …